Líderes da América do Norte prometem acelerar recuperação

Lideranças dos EUA, México e Canadá trabalharão juntos para criar empregos e estimular economias

Priscila Arone, da Agência Estado,

10 de agosto de 2009 | 16h26

Os líderes dos Estados Unidos, Canadá e México prometeram nesta segunda-feira, 10, trabalhar juntos para estimular a criação de empregos e acelerar os esforços para a recuperação econômica. "Promover a recuperação da atual crise econômica é uma prioridade para cada um de nós", disseram o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, e o presidente mexicano, Felipe Calderón, em comunicado conjunto divulgado ao final de sua reunião de cúpula em Guadalajara, México.

 

Veja também:

especialESPECIAL: Dólar, o fim de uma era?

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

 

Os três líderes disseram que o comércio na América do Norte é um elemento vital para o bem-estar econômico e prometeram evitar medidas de protecionismo comercial ao mesmo tempo em que reiteraram o compromisso para sustentar os acordo de proteção dos direitos dos trabalhadores e do meio ambiente. Eles também prometeram continuar a investir em tecnologia para proteger suas fronteiras sem diminuir o comércio.

 

Separadamente, os líderes norte-americanos defenderam uma acelerada revisão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para assegurar que a instituição tenha recursos suficientes de curto prazo para oferecer empréstimos que ajudem a diminuir os efeitos da crise econômica nas regiões mais pobres.

 

No que diz respeito à segurança, os líderes apoiaram os esforços para combater os cartéis de drogas e disseram que vão procurar ampliar o combate por meio do fortalecimento das ligações com países da América Central e do Caribe. Eles expressaram apoio ao fortalecimento da democracia nas Américas e reafirmaram o apoio a uma resolução pacífica que possa restaurar "a governança democrática e o domínio da lei" em Honduras, após um golpe que depôs o presidente do país, que fora democraticamente eleito.

 

O comunicado também incluiu promessas dos líderes norte-americanos para a cooperação em outras questões, dentre elas o combate à gripe causada pelo vírus A H1N1 e contra a mudança climática global. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.