Líderes da base aliada reagem à articulação para aumento do IR

Líderes da base aliada reagem à articulação para aumento do IR

Resistência ao aumento da alíquota para renda acima de R$ 20 mil veio de partidos como o PP, DEM e até mesmo o PMDB, do presidente Michel Temer

Igor Gadelha, Broadcast

08 Agosto 2017 | 20h26

BRASÍLIA - Líderes dos principais partidos da base aliada reagiram nesta terça-feira, 8, a articulação da equipe econômica do governo de aumentar a alíquota do Imposto de Renda (IR) para contribuintes que ganham acima de R$ 20 mil por mês

"Meu partido não vota um real de aumento de imposto", disse o líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL). "Sou totalmente contra. Aumento de imposto não passa, pode fazer o que quiser", complementou o líder do PTB na Casa, deputado Jovair Arantes.

A resistência vem até mesmo do PMDB, partido de Temer. "O momento não é oportuno para qualquer tipo de aumento de imposto", disse o líder da sigla na Casa, Baleia Rossi (SP). Para ele, o governo só conseguirá aumentar impostos se for por decreto. 

+ OAB ATACA AUMENTO DE IMPOSTOS

Para o líder do DEM, Efraim Filho (PB), o aumento de impostos deve ser a última opção adotada pelo governo. "O momento é de controlar gastos governamentais e fortalecer mecanismos de combate à corrupção", afirmou o parlamentar paraibano.

Como adiantou nessa segunda-feira, 7, o Broadcast, a equipe econômica estuda aumentar de 27,5% para 30% ou até 35% a alíquota do IR para contribuintes que recebem acima de R$ 20 mil mensais. Pelos cálculos da equipe econômica, a medida pode reforçar o caixa da União em R$ 4 bilhões em 2018. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.