Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Líderes do G7 se dizem prontos para agir contra crise

Crise de crédito que derrubou as bolsas e enfraqueceu economias é o cenário de fundo da reunião em Tóquio

Reuters,

08 de fevereiro de 2008 | 11h42

Os líderes das finanças dos países mais industrializados do mundo afirmaram nesta sexta-feira, 8, que estão prontos para agir em conjunto para conter a desaceleração econômica global e acalmar os mercados financeiros. Veja também: Os efeitos da crise do setor imobiliário dos EUA Senado aprova plano de Bush para estimular economia A crise de crédito que derrubou as bolsas, enfraqueceu economias, levou bancos centrais a reduzirem juros e abalou moedas é o cenário de fundo da reunião do G7 em Tóquio no final de semana. Um esboço do comunicado do encontro, obtido pela Reuters antes da divulgação no sábado, afirmou que o G7 vê os riscos contra a economia se enfatizando e o crescimento desacelerando nas principais economias do mundo. A economia mundial está enfrentando em um "ambiente mais desafiador e incerto" do que na última reunião, em outubro, afirma o G7 no documento. "Nós iremos continuar observando o desenvolvimento de perto e nos manteremos comprometidos em fazer o que for necessário, individual e coletivamente, para manter a estabilidade e o crescimento de nossas economias", segundo o esboço. Analistas temem que o G7 enfrente perigosas divisões sobre como acalmar os mercados e os temores de desaceleração econômica, sendo que Europa e Japão parecem não querer uma postura agressiva. Alerta na EuropaNa quinta-feira, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, amenizou sua postura contra a inflação e enfatizou as incertezas causadas pela turbulência dos mercados na economia européia. Os mercados leram nesses comentários a intenção do BCE de reduzir juros para estimular a atividade.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.