Líderes europeus fazem pouco e agem tarde, diz Zoellick

Os líderes europeus estão fazendo muito pouco e agindo muito tarde para resolver a crise da dívida soberana na região, disse o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, em uma entrevista divulgada neste domingo. "Os políticos europeus sempre agem com um dia de atraso e prometem muito pouco para o euro. Então, quando há um aperto, eles adicionam nova liquidez", afirmou Zoellick à revista alemã Der Spiegel.

RENAN CARREIRA, Agencia Estado

17 de junho de 2012 | 10h42

Embora o Banco Central Europeu (BCE), por meio de medidas de liquidez, tenha dado tempo aos líderes da região, pouco foi feito para resolver os problemas estruturais do bloco econômico, disse Zoellick. No entanto, uma ação urgente era necessária, sem atraso, afirmou. "Não se trata de qual modelo os europeus vão decidir. Eles precisam apenas decidir um. Rápido."

Se a Europa continuar a hesitar, vai perder influência global, avisou Zoellick. Ele pediu que a Alemanha assuma o papel de liderança e continue pressionando por reformas fiscais e estruturais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropacriseZoellick

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.