Light já prevê medidas em casos especiais

Dois casos especiais foram mencionados ontem na reunião da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE). O primeiro refere-se aos doentes tratados em casa, cuja vida depende de aparelhos ligados à rede elétrica. O segundo, aos casos de mudança de endereço, cujo histórico de consumo de energia reflete o comportamento de um antigo morador ou mesmo de uma residência inabitada. Mas, segundo o assistente executivo de operação da Light, José Márcio Ribeiro, apenas hoje o ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente, coordenador da CGCE, complementará os casos especiais que não serão atingidos pelas medidas de racionamento. "Só assim poderão ser definidos os casos em que não cortaremos a energia em hipótese alguma."Segundo ele, para quem não tiver média de consumo no período de maio, junho e julho de 2000, a empresa pretende considerar o período mais próximo. Pela resolução publicada ontem, neste caso, a concessionária está "autorizada a utilizar qualquer período dentro dos últimos 12 meses, observando, sempre que possível, uma média de até três meses." (veja a íntegra da resolução no link abaixo).Uma das maneiras, citadas por José Márcio, para registrar o consumo corretamente e não cometer injustiças devido a mudanças de endereço é acompanhar o histórico do morador. Para isso, é necessário fazer a transferência do titular na conta de luz, o que muitas pessoas esquecem. Mas o assistente executivo da Light explica que está estratégia depende da capacidade do sistema em rastrear os casos. "Ainda não sei se será possível, tem que ver."Como proceder nos dois casos de exceçãoDoentes que dependem de aparelhos ligados à rede elétrica não serão atingidos pelos cortes de energia. Este é um dos casos especiais definidos pela Câmara de Gestão da Crise Energética. José Marques afirma que os responsáveis devem procurar a Light e apresentar uma declaração do médico que cuida do paciente. Na declaração, colocar nome e endereço da pessoa e deixar bem claro que naquele endereço há um dependente de aparelhos hospitalares ligados à rede elétrica.O segundo diz respeito aos casos de mudança de endereço que acarretam alteração no histórico da conta de luz - residências que gastavam pouco ou quase nada no período de maio, junho e julho de 2000 e hoje, com novos moradores, apresentam uma conta mais elevada. Nesse caso, ele prefere não responder agora, pois não sabe se o sistema da Light poderá rastrear as mudanças de endereço. Mas acredita que não será necessário que os consumidores procurem a empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.