Light: tarifa vencedora do leilão do Madeira é adequada

O presidente da Light, José Luiz Alquéres, considerou a tarifa de energia vitoriosa do leilão de ontem para a construção da usina de Santo Antônio como sendo "um preço adequado para um País que precisa de energia a preço competitivo". De acordo com ele, a tarifa de R$ 78,87 por megawatt/hora será suficiente para remunerar os investidores, as construtoras, os fabricantes de equipamento, e arcar com os custos ambientais. Alquéres acredita que futuras usinas como Jirau,que também faz parte do Complexo do Rio Madeira, e Belomonte, no Rio Xingu, "podem apresentar preços mais atrativos". Ele argumentou que "Jirau vai compartilhar estruturas já desenvolvidas para Santo Antonio, e Belomonte tem um aproveitamento melhor". De acordo com Alquéres, não haverá falta de energia, mas até as novas usinas que estão sendo projetadas começarem a funcionar, haverá um período em que o preço dessa energia será mais caro devido à maior geração por usinas térmicas, que tem um custo de energia mais alto.Alquéres disse ainda que o preço vitorioso no leilão de ontem está em linha com o projetado por um estudo da Eletrobrás, do início da década de 90, dentro de um projeto para 2015 que indicava um preço de US$ 35 por megawatt/hora. As declarações foram dadas em rápida entrevista durante o seminário "A Megalópole-Campos-Juiz de Fora-Campinas", na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.