Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Liminar cai e Caixa abrirá em outros quatro sábados para saques do FGTS

Decisão da Justiça de SP impedia que o banco exigisse que funcionários trabalhassem aos sábados; atendimento é exclusivo para dúvidas relacionadas ao saque das contas inativas

O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2017 | 11h45

A Caixa Econômica Federal começou neste sábado, 18, a fazer plantões para atender trabalhadores que desejam consultar ou tirar dúvidas sobre os recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Uma liminar expedida pela juíza Ana Carolina Nogueira da Silva, da 52ª Vara do Trabalho de São Paulo, impedia as agências de exigir que os funcionários trabalhassem aos fins de semana. A Caixa informou hoje que a decisão foi suspensa e que os funcionários foram convidados a fazer plantão aos sábados.

O banco abrirá uma vez por mês aos sábados até julho para que quem não possa ir às agências em dias úteis realize o saque do benefício. Os plantões estão marcados para os dias 11/3, 13/5, 17/6 e 15/7, das 9h às 17h. Em abril, não haverá expediente por causa do feriado de Páscoa.

Os saques do FGTS, que serão liberados a partir do dia 10 de março, poderão ser feitos por trabalhadores que tenham pedido demissão ou tenham sido demitidos por justa causa até 31 de dezembro de 2015. O valor médio estimado que a maioria dos trabalhadores possui disponível para saque é de um salário mínimo, conforme cálculos do governo. Quem possui uma conta poupança na Caixa terá o valor creditado automaticamente na conta. Os clientes que possuem conta corrente ou poupança conjunta devem fazer a opção pelo depósito automático.

 

 

O vice-presidente de Habitação do banco, Nelson Antônio de Souza, lembrou que as agências da Caixa abriram duas horas antes no Brasil inteiro nessa semana. Hoje foi o primeiro plantão do cronograma e mais de 1,8 mil agências estão abertas. "Esperamos movimento neste sábado de pessoas que não conseguem ir ao banco na semana tanto para tirar dúvidas e como fazer alterações cadastrais", disse ele, a jornalistas na abertura da agência do banco na Av.Paulista, em São Paulo.

Também participou do evento o vice-presidente de Finanças e Controladoria do banco, Arno Meyer, que considerou que os recursos podem contribuir para reduzir a inadimplência à medida que parte dos trabalhadores optem por pagar dívidas. "O uso dos recursos é livre, mas é recomendável que o trabalhador quite dívidas mais caras como crédito rotativo, cheque especial", afirmou ele, ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. 

De acordo com Meyer, o banco analisou a possibilidade de criar um produto de antecipação dos recursos a serem liberados das contas inativas, mas optou por não fazê-lo. Essa semana, o Banco do Brasil informou que estuda essa possibilidade. Santander já anunciou um produto exclusivo para esse fim e o Bradesco também oferecerá uma solução financeira específica a partir da semana que vem. O Itaú Unibanco ainda não tem um produto específico, mas dispõe de linhas de crédito pré-aprovadas./COM ALINE BRONZATI, DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.