Dida Sampaio/Estadão
Anúncio do Renda Cidadã, programa que vai substituir o Bolsa Família, foi feito nesta segunda, 28. Dida Sampaio/Estadão

Limitar pagamentos de precatórios garante R$ 40 bilhões a novo programa social do governo

Ideia do governo é utilizar a verba dos precatórios para bancar o Renda Cidadã, mas proposta é vista com ressalva nos bastidores e tem sido classificada como 'pedalada'

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 17h48
Atualizado 29 de setembro de 2020 | 16h05

BRASÍLIA - Limitar o pagamento de precatórios (valores devidos após sentença definitiva na Justiça) a 2% da receita corrente líquida pode liberar até R$ 40 bilhões para o novo programa social do governo, o Renda Cidadã, segundo cálculos de técnicos do Legislativo consultados pelo Estadão/Broadcast. A proposta, porém, foi recebida com reservas nos bastidores e tem sido classificada de “pedalada” por representar um adiamento de uma dívida já reconhecida pelo próprio Judiciário.

Segundo outro técnico que acompanha de perto os temas orçamentários, a medida é comparável a um “empréstimo compulsório”, uma vez que a União obriga seus credores a receber seus direitos depois para que o próprio governo possa financiar seus gastos.

A proposta de usar o espaço no Orçamento originalmente destinado ao pagamento dos precatórios foi anunciada hoje após reunião do presidente Jair Bolsonaro com ministros e lideranças do Congresso Nacional. O presidente deseja tirar do papel o Renda Cidadã para consolidar o aumento de sua popularidade visto após o governo criar o auxílio emergencial para socorrer famílias vulneráveis durante a pandemia da covid-19.

Até o fim do ano, o benefício temporário deve custar R$ 322 bilhões. O Orçamento para o Bolsa Família, no ano que vem, é pouco mais de 10% disso: R$ 35 bilhões. Ao mesmo tempo em que alavancou a imagem do presidente, o auxílio criou um impasse sobre como seguir financiando o aumento de gastos sociais sem estourar o teto, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação.

Após rejeitar mexer em outros benefícios considerados ineficientes pela equipe econômica ou até mesmo congelar aposentadorias, Bolsonaro deu sinal verde à proposta de segurar os pagamentos de precatórios para abrir caminho ao Renda Cidadã.

Na proposta orçamentária de 2021, estão previstos R$ 55 bilhões para o pagamento de precatórios. Ao limitar esse valor a 2% da receita corrente líquida, a despesa cairia para algo entre R$ 15 bilhões e R$ 18 bilhões, segundo os cálculos do Congresso Nacional. A diferença poderia turbinar o novo programa social.

Para poder usar esse dinheiro, no entanto, a avaliação técnica no Congresso é de que é preciso primeiro aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com a mudança pelo menos em uma comissão especial do Senado. Pela jurisprudência do Legislativo, o simples fato de a medida constar no substitutivo do relator é insuficiente para dar respaldo à sua inclusão no Orçamento, mesmo como despesa condicionada. Além disso, esses técnicos alertam para o risco de “avançar o sinal” ao se lançar um programa social permanente contando com uma fonte incerta, uma vez que não haverá redução de despesa, apenas adiamento.

Um terceiro técnico ouvido pela reportagem afirma que adiar os precatórios “é uma solução muito ruim do ponto de vista econômico e fiscal”, pois aumenta a dívida consolidada da União de forma “pouco transparente”, não poupa recursos (como ocorreria em caso de revisão de alguma despesa) e ainda onera os cofres públicos com os juros e a correção monetária para pagar o precatório mais adiante. Para essa fonte, trata-se de “um tipo de pedalada” e um “completo desatino”.

Dentro do governo, técnicos também criticaram a manobra e observaram que o “carimbo” do Congresso Nacional na iniciativa não extingue o problema.

Despesa obrigatória

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado calcula que R$ 38,65 bilhões em precatórios previstos para 2021 seriam adiados, para abrir espaço aos gastos extras do Renda Cidadã.

Segundo o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto, a proposta orçamentária para 2021 prevê R$ 54,75 bilhões para o pagamento de precatórios. Já a receita corrente líquida é projetada em R$ 804,5 bilhões. A proposta apresentada hoje pelo governo é destinar 2% da receita corrente líquida ao pagamento dessas dívidas – o equivalente a R$ 16,1 bilhões no ano que vem.

“Os precatórios adiados vão ser incorporados à dívida. É o que manda a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal)”, diz Salto.

Além dos precatórios, os líderes anunciaram a intenção de destinar 5% do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), para bancar um benefício maior para famílias com crianças em idade escolar.

"Precatório é despesa obrigatória, fruto de decisão judicial. Tem de ser paga. Fixar limites para o seu pagamento significa escolher pagar a alguns dos credores da União e empurrar com a barriga o restante. Tem cara e jeito de calote, só não é, a meu ver, porque a despesa que não for paga será incorporada à dívida e sobre ela incidirão juros. A sinalização enviada ao mercado é muito ruim”, afirma o diretor-executivo.

Salto diz ainda que o governo usa a “velha estratégia da contabilidade criativa” ao usar o Fundeb, despesa que está fora do alcance do teto de gastos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

STF já considerou inconstitucional a proposta de limitar pagamentos de precatórios

Na ocasião, Congresso queria limitar os pagamentos para ajudar Estados e municípios a saldarem dívidas com os credores; agora, governo quer verba dos precatórios para turbinar o Renda Cidadã

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 19h11

BRASÍLIA - A proposta de limitar o pagamento de precatórios (valores devidos após sentença definitiva na Justiça) a 2% da receita corrente líquida já foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que analisou na ocasião um regime especial aprovado pelo Congresso Nacional para Estados e municípios saldarem suas dívidas com os credores.

A fixação do limite de 2% da receita para o pagamento de precatórios foi colocada hoje por lideranças do Congresso Nacional e pelo próprio governo como alternativa para liberar recursos e turbinar o Renda Cidadã, como está sendo chamado o novo programa social do governo Jair Bolsonaro, que substituirá o Bolsa Família. Como mostrou o Estadão/Broadcast, essa mudança poderia liberar até R$ 40 bilhões.

Esse limite já existe para Estados e municípios e foi aprovado em 2009 por meio de uma emenda constitucional, que instituiu a possibilidade de destinar parcelas variáveis entre 1% a 2% da receita corrente líquida para uma conta especial usada para quitar os precatórios.

Em 2013, o STF declarou inconstitucional esse dispositivo, que está no artigo 97 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). Na época, a maior parte dos ministros da Corte acompanhou o relator, ministro Ayres Britto (que já havia se aposentado), e considerou o artigo inconstitucional por afrontar cláusulas pétreas, como a de garantia de acesso à Justiça, a independência entre os Poderes e a proteção à coisa julgada.

O ministro Luiz Fux, atual presidente do STF e que na época foi redator do acórdão, considerou que o dispositivo resultava em desrespeito à duração razoável do processo, uma vez que o credor quer um resultado palpável para a realização do seu direito de receber a quitação da dívida, já devidamente reconhecida pela decisão judicial.

“Não se pode dizer que a EC 62 representou um verdadeiro avanço enquanto existir a possibilidade de pagamento de precatório com valor inferior ao efetivamente devido em prazo que pode chegar a 80 anos”, disse Fux na ocasião do julgamento.

Em 2015, o STF modulou os efeitos da decisão para dar “sobrevida” a regimes especiais de pagamento que já haviam sido adotados por Estados e municípios enquanto o julgamento estava em curso. Naquela decisão, a Corte deu prazo de mais cinco anos para os parcelamentos, a contar a partir de 1º de janeiro de 2016 – ou seja, o prazo se encerraria no fim de 2020.

“Modulam-se os efeitos das decisões declaratórias de inconstitucionalidade proferidas nas ADIs nº 4.357 e 4.425 para manter a vigência do regime especial de pagamento de precatórios instituído pela Emenda Constitucional nº 62/2009 por 5 (cinco) exercícios financeiros a contar de primeiro de janeiro de 2016”, diz a decisão de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Valor médio de Renda Cidadã deve ficar próximo de R$ 300, dizem líderes políticos

Essa é a quantia que está sendo paga nas últimas parcelas do auxílio emergencial; valor médio do benefício do Bolsa Família é em torno de R$ 193

Adriana Fernandes, Idiana Tomazelli e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 18h40

BRASÍLIA - As lideranças políticas querem que o benefício médio do novo programa social do governo – o Renda Cidadã - fique o mais próximo possível de R$ 300. Esse é o valor que está sendo pago nas últimas parcelas do auxílio emergencial, criado pelo governo como ajuda a desempregados, informais e beneficiários do Bolsa Família para enfrentarem os efeitos econômicos da pandemia.

Hoje, o valor médio do benefício do Bolsa Família é em torno de R$ 193. No Palácio do Planalto, auxiliares do presidente Jair Bolsonaro disseram que a ideia é que o Renda Ciadã tenha um benefício médio 50% superior ao do que é pago no programa criado na gestão petista (algo em torno de R$ 290).

Segundo apurou o Estadão, simulações foram feitas com um benefício de R$ 270 com as medidas anunciadas pelo governo nesta segunda-feira, 28, para o financiamento do programa com o adiamento do pagamento de parte dos precatórios (valores devidos após sentença definitiva na Justiça) e recursos do Fundeb, o principal financiador da educação básica.

O valor do benefício do Renda Cidadã vai depender das medidas que forem aprovadas pelo Congresso. Por isso, o governo não vai divulgar agora os detalhes do benefício. 

Uma liderança do Congresso, que participou da reunião de hoje com o presidente Jair Bolsonaro, disse que R$ 250 é pouco em razão da situação social do País e do fim do auxílio emergencial. Mas ponderou que “ninguém” vai fazer a discussão agora de valores enquanto a proposta de emenda constitucional que cria o novo programa não for aprovada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família, será pago com precatórios e dinheiro do Fundeb

Promessa da equipe econômica para impulsionar a geração de empregos no pós-pandemia, a desoneração da folha de pagamento financiada com uma nova CPMF ficou para um segundo momento por falta de acordo

Idiana Tomazelli, Adriana Fernandes e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 13h32
Atualizado 29 de setembro de 2020 | 15h41

BRASÍLIA - O Renda Cidadã, o novo programa social do governo, será financiado com o dinheiro reservado no Orçamento para o pagamento de precatórios e recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), o principal mecanismo de financiamento da educação. 

A proposta do novo programa social, anunciada pouco mais de dez dias depois de o presidente Jair Bolsonaro ter dito que continuaria com o Bolsa Família até 2022, não foi bem recebida no Congresso, que vê uma espécie de calote por parte do governo.

O anúncio foi feito durante reunião do presidente Jair Bolsonaro, líderes do governo, partidos e o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta segunda-feira, 28.

O programa será incluído na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, segundo informou o relator, senador Márcio Bittar (MDB-AC). Bittar informou que a proposta usa parte dos recursos dos precatórios para financiar o Renda Cidadã. A proposta fixa 2% da receita corrente líquida para pagar os precatórios. O montante que sobrar nessa conta, limitado a R$ 55 bilhões, será destinado ao programa social.“O que sobrar vai para o Renda Cidadã”, disse. 

Os precatórios são valores devidos a pessoas físicas ou jurídicas após sentença definitiva na Justiça. Ou seja, o governo vai destinar um valor menor para quitar suas dívidas com empresas e pessoas físicas, o que deve tornar a espera por esses pagamentos ainda maior. A proposta não foi bem recebida no Congresso, que vê uma espécie de calote por parte do governo. 

O Estadão apurou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não gostou da ideia do governo de financiar o Renda Cidadã com recursos destinados ao pagamento de precatórios porque a medida ser considerada como calote. Ele também critiou o uso do dinheiro do Fundeb, que fica fora do teto de gastos, para abastecer o novo programa.

 

O relator informou que até 5% do novo recurso para o Fundeb será deslocada para que beneficiários do programa mantenham seus filhos na escola, mas não deu detalhes. Essa ideia já foi proposta pela equipe econômica na época de votação do novo Fundeb, mas foi vetada pelo Congresso. 

Bittar já tinha dito ao Estadão que o novo programa social deve ter cerca de R$ 30 bilhões a mais do que o Bolsa Família. O Bolsa Família atende atualmente a 14,28 milhões de famílias no Brasil. O Orçamento para 2021 está previsto em R$ 34,9 bilhões. Ou seja, com a reformulação, o valor gasto pela União pode passar dos R$ 60 bilhões no próximo ano. O parlamentar não deu outros detalhes sobre o Renda Cidadã, como o valor do benefício ou quando deverá começar a ser pago.

Bruno Dantas, do TCU, critica modelo de financiamento do novo programa

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, criticou as duas formas de financiamento propostas pelo governo. Para ele, usar dinheiro reservado para o pagamento de precatórios "parece truque para esconder fuga do teto de gastos" ao reduzir a despesa primária de "forma artificial" porque a dívida não desaparece, apenas é rolada para o ano seguinte. "Em vez do teto estimular economia de dinheiro, estimulou a criatividade", criticou no Twitter. 

Dantas também criticou a manobra para o uso do dinheiro do Fundeb, cujas novas regras foram aprovadas pelo Congresso este ano, para burlar o teto de gastos, a regra constitucional que proíbe o crescimento das despesas acima da inflação. "Inflar o Fundeb para, em seguida, dele tirar 5% para financiar outro programa, é rigorosamente o mesmo que inserir mais uma exceção no parágrafo 6º do art. 107 (que criou o teto de gastos). Por que não fazê-lo às claras?", escrevevu. 

Já o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que o novo programa social Renda Cidadã não vai furar o teto de gastos. "Chegamos à conclusão neste momento que teremos a apresentação do Renda Cidadã, dentro do teto de gastos, para atender os milhões de brasileiros que recebem o auxílio emergencial", disse o deputado.

Nos últimos meses, o governo vem debatendo a criação de um novo programa social para substituir o Bolsa Família e abarcar parte dos atuais beneficiários do auxílio emergencial, criado para ajudar trabalhadores informais afetados pela crise da pandemia do coronavírus.  

Inicialmente, o programa se chamaria Renda Brasil. Bolsonaro planejava que o benefício tivesse valor de R$ 300. Integrantes da equipe econômica disseram que, para chegar nessa cifra, deveriam ser feitos cortes em outros benefícios sociais, o que desagradou Bolsonaro. No dia 15 de setembro, o presidente chegou a dizer que estava proibido de se falar de Renda Brasil no governo.  

Com o Renda Cidadã, Bolsonaro tem buscado sustentar seu recente aumento de popularidade na esteira do auxílio emergencial criado na pandemia da covid-19.

No anúncio do novo programa social, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”. Segundo Guedes, o Brasil é sério e se comporta dentro da responsabilidade fiscal. Sem falar na proposta em nenhum momento (o anúncio coube ao senado Marcio Bittar (MDB-AC)), Guedes quis passar recado de que o novo programa respeita o teto e a sustentabilidade fiscal. Para ele, são dois princípios “reconfortantes” que foram definidos na reunião do presidente Jair Bolsonaro com líderes do governo, partidos e ministros.

“O Brasil é um País sério, que se comporta dentro da responsabilidade fiscal, dentro dos orçamentos públicos e estamos buscando soluções dentro dessa verdade orçamentária” afirmou. Ele destacou que a proposta é uma passo inicial para a classe política retomar o controle sobre os orçamentos públicos. “O dinheiro do Brasil estava todo carimbado. Vamos começar agora progressivamente a reavaliar o uso dos recursos”.

O ministro disse que tem a proposta do programa social praticamente pronta. Mas, agora, ressaltou, é a política que dá o "timimg". “A economia está voltando aos trilhos com uma novidade é que tem eixo político rodando”, disse. 

Reforma tributária não tem acordo e nova CPMF fica em banho-maria

Promessa da equipe econômica para impulsionar a geração de empregos no pós-pandemia, a desoneração da folha de pagamento para as empresas ficou para um segundo momento diante da falta de um acordo entre governo e Congresso Nacional.

“Ainda não houve acordo para a reforma tributária, mas continuaremos trabalhando”, disse Barros.

Segundo o ministro Paulo Guedes, o governo está “ultimando” a proposta, mas ressaltou que “a política dá o timing”. Ele não detalhou qual impasse travou o avanço da reforma tributária, mas sinalizou que a desoneração é o principal ponto em aberto.

“Do ponto de vista político, continuamos estudando este capítulo particularmente (desoneração da folha)”, afirmou.

Para conseguir aliviar os encargos pagos pelas empresas sobre a folha, o governo precisa compensar a perda de arrecadação, superior a R$ 100 bilhões. Guedes defende a criação de um novo imposto sobre transações, nos moldes da antiga CPMF, mas há opositores a essa iniciativa no Congresso.

O próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já declarou abertamente ser contra à criação do novo imposto. Nos últimos dias, lideranças têm buscado Maia na tentativa de abrir caminho para que a proposta seja ao menos discutida e pautada dentro do Parlamento.

Havia a expectativa de que o próximo capítulo da reforma tributária, com a desoneração da folha, fosse anunciado nesta segunda, mas faltou consenso.

Além do “timing político” citado por Guedes, técnicos vinham discutindo nos últimos dias aspectos técnicos da proposta. Como mostrou o Estadão/Broadcast, há um consenso sobre desonerar as empresas de tributos sobre os salários de quem ganha até um piso (hoje em R$ 1.045), mas acima disso, há duas opções: cortar a alíquota dos atuais 20% para 15% (uma desoneração “vertical”) ou isentar a contribuição sobre a folha até o limite individual de um salário mínimo para cada trabalhador, mesmo que ele ganhe mais que isso (desoneração “horizontal”).

Segundo técnicos ouvidos pela reportagem, a desoneração vertical é a preferida por setores que têm mão de obra mais qualificada e, por isso, maiores salários. Assim, eles conseguem individualmente ter um alívio maior em sua carga tributária. Para o governo, de acordo com lideranças, a renúncia não muda de um modelo para o outro e fica pouco acima de R$ 100 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Uso do Fundeb para criar Renda Cidadã pode ser forma de driblar o teto de gastos, diz Felipe Salto

Para o diretor executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal proposta é preocupante, pois mostra que o governo não está cancelando gastos para criar a nova despesa

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 15h32

SÃO PAULO - A proposta do governo de financiar o Renda Cidadã, programa social que vai substituir o Bolsa Família, com recursos de precatórios e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) mostra que o governo não está cancelando gastos para criar a nova despesa, afirma o diretor executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal, Felipe Salto. Particularmente, o uso de 5% do Fundeb, ele diz, é preocupante, porque pode representar uma maneira de driblar a regra do teto de gastos, argumenta Salto.

Durante reunião do presidente Jair Bolsonaro com líderes do governo, partidos e o ministro da Economia, Paulo Guedes, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que o novo programa não vai furar o teto de gastos. Por sua vez, os recursos do Fundeb, pela legislação em vigor, ficam fora do teto de gastos.

"Formalmente, o que ele (Ricardo Barros) disse faz sentido. Mas se você cria um gasto no guarda-chuva de uma exceção, o Fundeb, você está aumentando a despesa sem que o teto seja afetado, por construção. É uma forma de contornar a regra. Aumenta-se o gasto sem que o teto seja pressionado. Mas é importante aguardar detalhes", disse.

Quanto ao uso de precatórios, Salto afirma que o governo está apenas postergando gastos, em vez de cancelá-los. "Limitar a um porcentual de receita significa isso, pois, em algum momento no futuro, o precatório não pago em 2021 terá de ser pago. Não se está cancelando gasto, como seria recomendável ao se criar um nova despesa."

Segundo o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, na qual será incluído o Renda Cidadã, há hoje R$ 55 bilhões de precatórios, valores devidos pelo Estado a pessoas físicas ou jurídicas após sentença definitiva na Justiça, no Orçamento. A proposta fixa 2% da receita corrente líquida para pagar os precatórios. "O que sobrar vai para o Renda Cidadã", disse.

Na reunião, não foram dados mais detalhes sobre o novo programa, como o valor do benefício ou quando deverá começar a ser pago. Mais cedo, Bittar disse que o Renda Cidadã terá ao menos 30 bilhões a mais do que o Bolsa Família, cujo orçamento para 2021 é previsto em R$ 34,9 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Propostas polêmicas para Renda Cidadã aumentam tensão

Governo mostrou pouca disposição para enfrentar a tarefa de passar a tesoura nos gastos para compensar despesas maiores com a transferência de renda aos mais pobres

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 15h47

Depois de tanto vaivém, o governo optou por duas medidas extremamente polêmicas para bancar o Renda Cidadã e pouca disposição para enfrentar a tarefa de passar a tesoura nos gastos para compensar despesas maiores com a transferência de renda aos mais pobres.

De um lado, o governo propõe criar um gasto permanente, o novo programa social, usando recursos do Fundeb, o fundo para educação que está fora do teto de gastos, a regra que proíbe que despesas cresçam em ritmo superior à inflação.

Essa tentativa já foi feita na votação do novo Fundeb e rejeitada por razões diversas: retira recursos que foram ampliados por votação estrondosa do Congresso e, na prática, “burla” o teto de gastos para arrumar recursos para a vitrine do presidente Jair Bolsonaro, o programa que vai substituir o auxílio emergencial dado na pandemia aos mais vulneráveis e o Bolsa Família.

A proposta de adiar o pagamento de parte dos precatórios é ainda mais crítica. Não à toa pouco depois do anúncio já está sendo chamada de “calote temporário”. O governo simplesmente propõe financiar um programa permanente com base em uma despesa judicial líquida e certa. A dívida não deixa de existir. Esse é o ponto que participantes do mercado financeiro já questionam.

A pergunta que foi feita à coluna: por que com tanta despesa para remanejar vão em cima de uma pagamento de uma dívida judicial líquida e certa?

Nas duas propostas, não há compromisso de ajuste, o que na prática é o motivo por trás da ideia da equipe econômica de insistir com a manutenção do teto.

Os líderes envolvidos chegaram a falar em medidas duras para financiar o Renda Cidadã, em conversas internas e fechadas à imprensa, promovidas por instituições financeiras. Por isso, a frustração com a proposta é o temor de agravamento da crise fiscal.

Criou-se uma expectativa de algo melhor do lado das despesas, que não chegou. A resposta é tensão.  Do mercado, que quer o teto vivinho. Para quem defende mais recursos para a transferência de renda, nova constatação da perda de rumo.  

Depois do anúncio de hoje, aumenta a desconfiança de que o fracasso do Renda Cidadã pode abrir as portas da flexibilização do teto e saída do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Tem gente que até desconfia que essa é uma estratégia já desenhada por líderes  e não apenas resultado de falhas no desenho das medidas.

Para piorar, o governo não conseguiu acordo para emplacar o novo tributo sobre transações financeiras, a nova CPMF repaginada pela equipe econômica para desonerar a folha  Até então, a tentativa do governo era fechar um acordo hoje para incluir a CPMF na proposta de reforma tributária.

Os estudos do ministro da Economia, Paulo Guedes, não convenceram os líderes dos partidos que apoiam o governo porque a rejeição é grande ao novo tributo. A espera de mais respostas do governo e dos líderes que tomaram a dianteira do anúncio.

*É JORNALISTA , REPÓRTER ESPECIAL DE ECONOMIA NA SUCURSAL DE BRASÍLIA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Novo programa social terá pelo menos R$ 30 bilhões a mais que Bolsa Família, diz relator

Segundo o senador Marcio Bittar, valor do benefício ainda será definido pelo Executivo; Bolsonaro recebe lideranças da base governista nesta segunda para discutir o programa, batizado de Renda Cidadã, e a reforma tributária

Daniel  Weterman, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2020 | 11h39
Atualizado 28 de setembro de 2020 | 14h05

BRASÍLIA - O programa de renda mínima do governo Jair Bolsonaro terá pelo menos R$ 30 bilhões a mais do que o Bolsa Família, afirmou nesta segunda-feira, 28, o senador Marcio Bittar (MDB-AC) ao Estadão/Broadcast. O modelo, batizado de Renda Cidadã, será incluído na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do pacto federativo no Senado, que será incorporada à PEC Emergencial. O valor havia sido antecipado pelo Estadão.

O presidente Jair Bolsonaro recebe nesta segunda, lideranças da base governista no Palácio da Alvorada para debater a renda mínima e a reforma tributária. Após o encontro, o formato do programa deve ser anunciado. 

O Bolsa Família atende atualmente a 14,28 milhões de famílias no Brasil. O Orçamento para 2021 está previsto em R$ 34,9 bilhões. Ou seja, com a reformulação, o valor gasto pela União pode passar dos R$ 60 bilhões no próximo ano. Bittar é relator da PEC do Senado e também do Orçamento de 2021 no Congresso. "A proposta que foi desenhada traria pelo menos R$ 30 bilhões a mais", disse o senador à reportagem.

Segundo ele, o valor do benefício deve ser definido depois pelo Executivo. Bittar disse que a melhor solução para bancar o novo programa é "remanejar", mas não detalhou quais programas ou ações serão cortados. Disse apenas que não estão incluídas mudanças no abono salarial (benefício de até um salário mínimo pago a quem ganha até dois pisos) e não haverá desindexação dos gastos (ou seja, a obrigatoriedade de dar reajustes a aposentadorias e pensões, por exemplo).

Bolsonaro afirmou que medidas como o congelamento dos benefícios previdenciários eram "devaneios" e que ele não permitiria retirar dos "pobres para dar aos paupérrimos". Disse ainda que mostraria um "cartão vermelho" a quem lhe apresentasse essa proposta. De acordo com Bittar, a fonte para financiar o novo programa deve ser anunciada ainda nesta segunda.

Segundo o senador, o programa vai sair do papel sem furar o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas à inflação.

Nas últimas semanas, Bolsonaro enterrou propostas da equipe econômica para bancar a renda mínima, afirmando que não tiraria dos "pobres para dar aos paupérrimos". "Após o vai e vem, a solução de fato melhor é encontrar e remanejar dentro do Orçamento. Claro que nunca vai agradar todo mundo. Tirar dinheiro nunca agrada todo mundo", afirmou o parlamentar.

Com um orçamento maior, o governo quer emplacar a revisão do Bolsa Família incluindo na nova roupagem os chamados "invisíveis", que não recebiam anteriormente e ficarão sem o auxílio emergencial pago a durante a pandemia de covid-19. "Não podemos fazer a virada do ano com esses milhões de brasileiros na incerteza. É preciso que essas pessoas durmam no fim do ano sabendo que alguma coisa terá para elas se alimentarem", disse Bittar. 

Encontro com a base

O objetivo do encontro de Bolsonaro com aliados é articular e testar a aceitação dos partidos da base em relação à proposta do Executivo, que deve incluir na reforma um novo imposto sobre transações digitais, semelhante à extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras).

O líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou haver negociação para fixar em 0,2% a alíquota prevista pelo governo para o imposto sobre todas as transações, a ser apresentado pelo relator da reforma tributária, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Na semana passada, Bolsonaro deu aval para líderes do governo negociarem os termos da reforma com o Congresso. Como o Estadão/ Broadcast mostrou, o governo espera com o novo tributo desonerar a folha de pagamento e incentivar a geração de emprego. De acordo com o ministro da EconomiaPaulo Guedes, não haveria aumento da carga tributária ou possibilidade de furar o teto de gastos.

A PEC do pacto federativo também está na pauta da reunião. O relatório de Bittar deve trazer gatilhos para redução de despesas e abrir espaço no Orçamento e bancar o programa de renda mínima a partir de 2021.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast na sexta-feira, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), informou que a reunião servirá ainda para definir qual posicionamento o governo vai adotar na votação do veto à desoneração da folha de pagamento, previsto para ser analisado em sessão do Congresso na quarta-feira, 30.

Estão previstos para participar da reunião os líderes do governo no Congresso, o relator da reforma e líder da maioria na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), bem como, lideranças, entre deputados e senadores, do PL, PP, Prós, PSC, PSD, PTB, Avante, Solidariedade, Republicanos, DEM, MDB, e PV. O ministro Guedes, os ministros palacianos e o chefe da pasta das Comunicações, Fabio Faria, também devem comparecer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.