Linha de crédito para o setor saiu como 'pão quente'

A rapidez com que se esgotou uma linha de crédito do Banco do Brasil voltada para a renovação de canaviais revela como o setor está faminto por financiamentos. "Os empréstimos saíram que nem pão quente. Fizemos 981 operações desde então, o que mostra que há uma oferta reprimida bem grande", resumiu o gerente executivo da diretoria de agronegócios da instituição, João Pinto Rabelo Junior.

O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2011 | 03h10

Apenas no BB, maior financiador de crédito do setor agrícola, foram contratados R$ 145 milhões para esse fim desde junho. "Esta é uma quantia grande para o pouco espaço de tempo. Só não fizemos mais contratos porque não tínhamos mais funding."

A fonte dos recursos é a parte dos depósitos à vista feita pela população nos bancos e que precisa obrigatoriamente ser direcionada para a agricultura. O governo sabe que, por conta da crise externa, o volume desses depósitos minguou, mas a avaliação é a de que os bancos poderiam ofertar linhas próprias, já que havia demanda.

A linha colocada à disposição pelo BB, e que também pode ser encontrada em outras instituições financeiras, é de R$ 1 milhão por produtor independente. O financiamento tem juros de 6,75% ao ano e o tomador poderá pagá-lo em cinco anos, com prazo de carência de 18 meses. / C.F., A.F. e R.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.