Linha de emergência do BCE tem maior demanda desde junho de 2009

BCE disse que os bancos tomaram 15,801 bilhões de euros da linha de empréstimo marginal, pagando a taxa punitiva de 1,75%

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

17 de fevereiro de 2011 | 08h57

O uso da linha de emergência de empréstimo do Banco Central Europeu (BCE) disparou ontem, atingindo o maior montante em mais de 19 meses, segundo informações da instituição. O BCE disse que os bancos tomaram 15,801 bilhões de euros da linha de empréstimo marginal, pagando a taxa punitiva de 1,75%. A última vez que a utilização da linha havia sido tão elevada foi antes da primeira e maior injeção de recursos no mercado ao prazo de 12 meses pelo BCE, em junho de 2009.

O BCE não explicou qual o motivo do elevado saque, que normalmente reflete problemas agudos de liquidez, embora breves, de um ou mais bancos. A utilização da linha tem sido mínima neste início de ano, mas subiu para uma média diária superior a 700 milhões de euros na semana passada.

O mercado especula que um grande banco da zona do euro pode ter tido problemas técnicos ou não requisitou dinheiro suficiente no leilão semanal de refinanciamento do BCE de terça-feira.

O elevado uso da linha marginal surpreendeu, uma vez que não havia sinais de estresse no mercado interbancário ontem. A taxa de referência para empréstimos overnight em euros no mercado interbancário, EONIA, caiu para 0,700% ontem, a menor em mais de uma semana. Na terça-feira, estava em 0,749%.

Da mesma forma, na Alemanha, o maior mercado nacional de dinheiro da zona do euro, as taxas para tomada de recursos no overnight estava em cerca de 0,525% no início desta quinta-feira.

O uso da linha de depósito no BCE, à taxa de 0,25%, permanece em nível baixo em relação aos padrões recentes, a 14,723 bilhões de euros, 3,20 bilhões de euros abaixo de terça-feira. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
BCEempréstimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.