Linha do BNDES com taxas atrativas será compensação, diz Mantega

A transição é dar condições para que os Estados tenham recursos para migrarem para uma atividade legítima

Renata Veríssimo e Célia Froufe, da Agência Estado,

17 de abril de 2012 | 12h50

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o que o governo federal está sugerindo é que os Estados fixem novas atividades econômicas. Por isso, serão liberados recursos do BNDES para que eles possam viabilizar essas novas atividades, façam investimentos em infraestrutura, barateiem o custo de sua infraestrutura e melhorem as condições do Estado para a produção e não somente para a mera importação. Para o ministro, a oferta de recursos com taxas atrativas é a compensação da União para o fim da guerra dos portos.

Mantega lembrou que os Estados têm bancos de desenvolvimento estadual para financiar empresas e que, por meio deles, podem, não só manter as empresas, mas estimular a produção no local. O ministro disse que este estímulo financeiro é a transição para o fim da guerra fiscal dos portos porque dá condições aos Estados para migrarem para uma atividade econômica legítima e não meramente se tornarem um corredor de importação.

"A transição é dar condições para que os Estados tenham recursos para migrarem para uma atividade legítima".

Tudo o que sabemos sobre:
MantegaBNDESguerra dos portos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.