Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ueslei Marcelino/ Reuters
Ueslei Marcelino/ Reuters

Lira volta atrás e diz que MP do governo não inclui racionamento de energia

Segundo o presidente da Câmara, que diz ter conversado com o ministro de Minas e Energia, será feito o incentivo ao uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária

Camila Turtelli e Anne Warth, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2021 | 21h45

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), afirmou que a medida provisória que o governo prepara para lidar com a iminência de uma crise energética não irá trazer “qualquer comando relativo ao racionamento de energia”.

“Falei há pouco com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que esclareceu que a medida provisória não irá trazer qualquer comando relativo ao racionamento de energia. Será feito o incentivo ao uso eficiente da energia pelos consumidores de maneira voluntária”, escreveu Lira no Twitter.

A medida foi antecipada pelo Estadão/Broadcast no dia 12. A reportagem teve acesso a documentos internos que revelam a intenção de criar um comitê de crise que terá o poder de adotar medidas como programa de "racionalização compulsória" do consumo de energia elétrica e a contratação emergencial de termoelétricas - mesmas medidas adotadas em 2001, quando a população e as empresas foram obrigadas a diminuir a carga em 20% para evitar o apagão.

Publicamente, sempre que questionado, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, tem negado o risco de um racionamento e assegurado o abastecimento.

A MP propõe a formação de um grupo que poderá mudar a vazão de hidrelétricas de forma imediata, sem aval de outros órgãos e entes que costumam ser consultados, entre eles Estados e municípios. Os custos das medidas serão pagos pelo consumidor, por meio de taxas na conta de luz, diz a proposta. O texto está sendo analisado em meio à pior crise hidrológica que o Brasil viveu nos últimos 91 anos, sem perspectiva de chuvas nos próximos meses.

A criação do grupo, classificada como intervenção, e o programa de "racionalização compulsória do consumo de energia elétrica" surpreenderam o mercado e sofreram críticas de parlamentares.

Na semana passada, Lira se encontrou pessoalmente com o ministro para discutir a MP. Na saída, disse que o ministro não falou sobre apagão. "Falou-se em racionamento, economia, porque infelizmente a gente não manda na chuva", afirmou. Nesta terça-feira, 22, na saída de um evento no Palácio do Planalto, o presidente da Câmara voltou a dizer que o governo faria racionamento para evitar uma crise maior.  Depois, no entanto, publicou mensagem no Twitter descartando a hipótese via MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.