Livro Bege do Fed mostra desaceleração na economia dos EUA

De acordo com relatório divulgado nesta quarta, cinco distritos do BC registraram enfraquecimento na atividade

Renato Martins, da Agência Estado,

23 de julho de 2008 | 15h28

O Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o BC norte-americano) diz que a atividade econômica "desacelerou bastante" em junho e na primeira quinzena de julho. O Livro Bege é o sumário sobre as condições da economia dos EUA que servirá de base para as decisões de política monetária a serem tomadas na próxima reunião do Comitê de Mercado Aberto do Fed (Fomc), em agosto. O relatório divulgado nesta quarta-feira, 23, foi preparado pelos técnicos do Federal Reserve Bank de Kansas City, com base em dados coletados até 14 de julho. Veja também:Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos Cronologia da crise financeira As grandes crises econômicas  Segundo o Livro Bege, cinco distritos do Fed na região leste dos EUA relataram enfraquecimento na atividade econômica, enquanto o de Chicago falou em atividade fraca e Kansas City relatou desaceleração; Cleveland e Minneapolis disseram que houve uma leve expansão na atividade e Dallas relatou crescimento estável e moderado. O relatório também diz que os gastos dos consumidores foram fracos ou se desaceleraram em praticamente todos os distritos. "A atividade industrial declinou em muitos distritos, embora a demanda por exportações tenha permanecido alta, em geral. Os mercados de imóveis residenciais declinaram ou ainda estiveram fracos na maior parte do país", afirma. O texto diz ainda que "todos os distritos caracterizaram as pressões sobre preços de uma maneira geral como elevadas ou em elevação. Os preços dos insumos continuaram a subir, particularmente para combustíveis, outros materiais baseados em petróleo, metais, alimentos e produtos químicos. A inflação de preços no varejo variou em todo o país, com alguns distritos relatando altas, mas outros notando alguma estabilidade, ao menos no presente. As pressões de salários foram em geral limitadas na maioria dos distritos, à medida que a demanda no mercado de mão-de-obra foi fraca, exceto para trabalhadores altamente especializados e no setor de energia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.