Lobão: crise externa não afetará investimento em energia

A crise financeira internacional não vai afetar os investimentos nos setores de energia e petróleo no Brasil, segundo o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão. "Os economistas dizem que nenhum país ficará imune à crise nos Estados Unidos, mas no que diz respeito à energia e ao petróleo não haverá repercussão no Brasil", afirmou.Ele fez a afirmação em entrevista após solenidade na sede da Transpetro, no Rio. Antes, em palestra, o ministro mostrou forte otimismo em relação ao setor energético no País e disse que é a Petrobras a responsável pelo fato de que o Brasil não é mais devedor, e sim credor internacional. "Quando o presidente Lula diz hoje com justa felicidade que o Brasil não é mais devedor do exterior, é credor, isso só foi possível através da Petrobras", afirmou, acrescentando que "ninguém deterá o Brasil, é uma nação que se destaca".Lei do PetróleoO ministro das Minas e Energia admitiu que "alguma revisão" poderá vir a ser feita na Lei do Petróleo, "mas veremos no futuro". A afirmação foi feita em resposta à pergunta sobre as mudanças que a descoberta do megacampo de Tupi poderá imprimir à legislação atual."Alguns blocos na região de Tupi, que tinham previsão de ser leiloados por R$ 2 milhões, acabaram sendo leiloados por R$ 200 milhões, o que mostra que alguma revisão pode ser feita, mas veremos no futuro", disse. Segundo ele, a legislação atual está sendo sempre avaliada.DistribuidorasLobão disse que o governo não pensa em privatizar as empresas federalizadas de energia, mas avisou que, "se tivermos que vender ações depois de saneá-las, o faremos". As federalizadas são distribuidoras estaduais que foram preparadas para privatização e não despertaram interesse dos investidores e são administradas pela Eletrobrás.Segundo o ministro, "alguma solução teremos que encontrar", já que o prejuízo dessas empresas chega a R$ 1 bilhão por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.