Lobão critica demora no licenciamento de hidrelétricas

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, voltou a criticar a área ambiental do governo. Ao falar sobre a demora no licenciamento de usinas hidrelétricas, Lobão disse que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) precisa atuar a serviço do interesse nacional. "Se as exigências do Ibama foram além das fronteiras do razoável, e não estou dizendo que estão indo nesse sentido, mas se forem, então o órgão não está servindo ao interesse nacional", afirmou Lobão, que participou de reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE).

LEONARDO GOY, Agencia Estado

17 de dezembro de 2009 | 14h32

Lobão disse que vê constantemente críticas ao governo na imprensa por supostamente "estar sujando" a matriz energética brasileira. Segundo ele, o que ocorre é que se não há licença para a construção de hidrelétricas, não há alternativa senão construir usinas térmicas, que são mais poluentes. Na reunião de hoje do CMSE estava previsto que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) entregaria o seu relatório final sobre o blecaute que atingiu 18 Estados do País no dia 10 de novembro. Porém, a Aneel pediu mais tempo, cerca de 15 a 20 dias, segundo Lobão, para apresentar o documento.

Lobão afirmou também que "é provável" que o governo promova em 2010 outro leilão de energia eólica. Ele ressaltou, no entanto, que ainda não há uma decisão nesse sentido. Lobão comemorou o resultado do leilão de energia eólica realizado na última segunda-feira. "Foi um sucesso imenso. Negociamos 1,8 mil megawatts de energia eólica. Vamos instalar parques no País todo", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
energiahidrelétricasLobão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.