Lobão rebate FHC sobre causas do fracasso do leilão da Cesp

Segundo ministro de Minas e Energia, governo federal ajuda São Paulo 'naquilo que a lei permite'

Leonardo Goy, da Agência Estado,

27 de março de 2008 | 11h25

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, rebateu nesta quinta-feira, 27, as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso atribuindo o fracasso do leilão da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) às incertezas regulatórias do atual governo.   Veja também: Indefinição de Lula inviabilizou leilão da Cesp, diz FHC   "Eu não diria isso. A legislação sobre os prazos para renovação das concessões das usinas foi votada pelo Congresso e estabelece a impossibilidade de se prorrogar por mais de uma vez as concessões. Naquilo que a lei permite, ajudamos o governo de São Paulo", enfatizou Lobão, referindo-se à renovação da concessão dada à usina de Porto Primavera.   O leilão da Cesp foi cancelado, na terça-feira passada, porque os investidores ficaram sem garantias de que as concessões das usinas de Jupiá e Ilha Solteira pudessem ser renovadas.   Térmicas   O ministro confirmou a possibilidade de se desligar algumas usinas termoelétricas acionadas em janeiro para poupar água dos reservatórios das hidrelétricas, mas frisou que a medida será cuidadosamente analisada na reunião do Comitê de Monitoramento do Sistema Elétrico que acaba de ser iniciada.   "Na minha avaliação, isso é possível, porque as grandes hidrelétricas já estão vertendo (jogando água fora sem gerar energia). As chuvas foram generosas. São Pedro nos ajudou realmente, mas não se fará nada de supetão. Vamos discutir a possibilidade de caminhar sem as termoelétricas, mas se houver uma faixa de risco mínima, vamos mantê-las funcionando", assinalou.   O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Hermes Chipp, enfatizou que a possibilidade de se desligar as termoelétricas está circunscrita à região Sudeste. Segundo ele, o nível-meta (índice mínimo de armazenamento de água dos reservatórios das hidrelétricas fixado pelo governo para ser atingido no final do ano) ainda não será definido na reunião desta quinta do Comitê e, por isso, é possível que se mantenha as termelétricas ligadas até que o nível-meta seja fixado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.