Sequoia/Divulgação
Sequoia/Divulgação

Uso de dados e novas tecnologias devem impulsionar setor de logística no Brasil

Para especialistas, empresas devem investir em veículos mais eficientes, aplicativos que permitem rastrear encomendas em tempo real e sistemas inteligentes

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2022 | 14h26

O crescimento do e-commerce no Brasil, movimento que se intensificou com a pandemia de covid-19, fez o tema da logística se tornar uma das prioridades das empresas.

Para garantir o serviço rápido, de qualidade e com baixo custo, o setor de logística deve apostar nos próximos anos na modernização e no uso da tecnologia. Entre as medidas que são estudadas estão o uso de veículos mais eficientes, de aplicativos que permitem rastrear encomendas em tempo real e de sistemas inteligentes.

Essa é a visão dos especialistas e executivos do setor que participaram nesta sexta-feira, 29, do segundo dia do Summit “O Futuro da Indústria Automotiva”, realizado pelo Estadão.

Em um país como o Brasil que enfrenta desafios de infraestrutura, como condições ruins das estradas, além do custo mais alto dos combustíveis usados nos caminhões, o uso da tecnologia é um grande aliado do setor para garantir o desempenho das operações de logística das companhias, segundo o vice-presidente para América Latina da Stellantis, Pierluigi Astorino. “Qualquer avanço tecnológico disponível é preciso ser implementado com rapidez nas empresas, porque reduz impacto inflacionário dentro do sistema logístico”, disse o executivo no encontro virtual. 

Para o presidente da Lots Group , Huber Mastelari, o uso da tecnologia na logística deixou de ser um diferencial e passou a ser uma obrigação para as companhias atualmente. Ele ressalta que os sistemas de conectividade disponíveis já são capazes de atender a demanda das companhias com um resultado satisfatório. "A conectividade não é tabu, não é coisa do futuro. Não é preciso esperar  a chegada do  5G Brasil”, afirma Mastelari.

Mais do que se renovar, algumas empresas do setor logístico precisam mudar a cultura empresarial. O diretor de marketing da Autotrac, Márcio Toscano, diz que muitas companhias têm bases de dados importantes que podem otimizar o serviço, mas que, por falta de costume, são pouco exploradas.  “Esse tipo de informação pode ajudar a reduzir custos na operação”, afirma Toscano. 

A tecnologia também precisa ser acessível para os trabalhadores das companhias de logística. A líder de gestão e estratégia da Transjordano, Joyce Bessa, conta que a companhia decidiu investir na qualificação dos seus motoristas, mostrando como o trabalho poderia ser otimizado de maneira a reduzir custos como manutenção e gasto de combustível. 

Segundo a representante, um erro comum entre as empresas é justamente atualizar a frota de veículos, sem ensinar os seus funcionários a usar as novas tecnologias presentes. “Não adianta ter um super caminhão para um trabalhador que não tem qualificação”, diz.

A pauta ESG – sigla em inglês para questões ambientais, sociais e de governança – também aparece dentro do setor de logística por meio do seu pilar social. Para reduzir a disparidade entre o número de motoristas homens e mulheres, a TransJordano criou um núcleo de formação para aumentar a atuação das motoristas, em um setor majoritariamente masculino. Ainda segundo Joyce, a companhia tem cerca de 10% da sua frota guiada por mulheres. 

As discussões dos dois dias de evento do Summit "Futuro da Indústria Automotiva" podem ser acessadas gratuitamente na plataforma de vídeo do Estadão.

 

Tudo o que sabemos sobre:
comércio eletrônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.