finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Loja sinônimo de brinquedos nos EUA tenta se reinventar

Toys ‘R’ Us tenta achar uma saída para fuga de executivos, vendas em queda e uma dívida de US$ 5,2 bilhões

THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2012 | 03h05

Há quase dois anos, a Toys "R" Us espera o momento certo para voltar a colocar suas ações em bolsa. Esse momento pode estar passando. A companhia sofre com uma leva de demissões de executivos de alto escalão, queda nas vendas e uma concorrência cada vez mais implacável.

Com mais de 1,5 mil lojas em todo mundo, a Toys "R" Us faz parte de um grupo de grandes (e antigas) varejistas que tentam reformular seus negócios para entrar numa nova era. A Sears, por exemplo, vem procurando reverter a queda nas vendas com ofertas customizadas para os clientes. A Best Buy está abrindo lojas menores.

A Toys "R" Us, última das grandes redes de brinquedos americana, também vem lutando para crescer. A companhia foi adquirida em 2005 por um grupo de private equity por US$ 6,6 bilhões. Em maio de 2010, quando pediu registro para negociar suas ações em bolsa, o presidente Gerald Storch parecia ter dado uma reviravolta na empresa até então em dificuldades. Mas não foi o que aconteceu.

Depois de um fim de ano pouco vibrante, as vendas nos Estados Unidos em 2011 ficaram abaixo do total de 2008. Os lucros caíram em média 5% de 2010 para 2011, após uma redução de 11% um ano antes.

O alto escalão administrativo também vem desertando à medida que aumenta a insatisfação dentro da empresa. Neil Friedman, presidente da empresa nos Estados Unidos, renunciou em fevereiro, dez meses depois de assumir o cargo - embora tenha assinado contrato de um ano. Os diretores e gerentes de produtos e administração também pediram demissão. Houve mudanças no principal escalão da companhia em cada um dos sete anos da administração de Storch.

Os proprietários da Toys "R" Us - duas empresas de private equity, a Kohlberg Kravis Roberts e a Bain Capital, e a incorporadora imobiliária Vornado Realty Trust - acham que a janela para um IPO (sigla em inglês para abertura de capital) está se fechando, segundo fontes próximas à companhia. Uma oferta de ações ajudaria a melhorar seu balanço carregado de dívidas.

Em 2011, devido à volatilidade do mercado, inúmeras ofertas públicas iniciais foram adiadas ou canceladas. As varejistas que abriram capital no ano passado vinham crescendo rapidamente, como a Michael Kors e Prada. Mas as cadeias gigantes, de crescimento lento, não são tão atrativas. "Desde que anunciaram o IPO, o desempenho da empresa enfraqueceu", diz Charles O'Shea, da Moody's.

Redes de varejo se tornaram alvos de empresas de private equity durante o boom das aquisições entre 2005 e 2007. Foi o que aconteceu com redes como Lord & Taylor, Neiman Marcus e Michaels Stores.

No caso da Toys, os compradores viram uma franquia em dificuldades, mas dona de um patrimônio imobiliário valioso e pronta para ser reerguida.

Fundada em 1948, a Toys já teve capital aberto. Suas ações passaram a ser negociadas em bolsa em 1978. Mas, em 2005, Walmart e Target reduziram preços, forçando várias redes a fechar suas portas. A Toys "R" Us partiu em busca de um comprador.

Barbie. As empresas de private equity que a adquiriram colocaram Storch, que havia trabalhado na McKinsey e na Target, na presidência. A ordem era fortalecer marcas e brinquedos exclusivos da loja. Foram adquiridos os direitos de marcas que estavam desaparecidas, como a KB Toys & Toys e a F.A.O. Schwarz. Esses produtos são hoje mais de 50% das vendas de brinquedos da Toys, segundo Lutz Muller, analista da Klosters Trading.

A empresa também decidiu transformar 25% dos seus pontos de venda em lojas Babies "R" Us. Abriu unidades fora dos Estados Unidos, embora as vendas internacionais também tenham caído nos últimos três anos. E insistiu nas vendas por internet, que cresceram 50% no último Natal.

Mas a pressão da concorrência está mais forte. No Natal, o Walmart vendeu brinquedos a prazo e a Amazon fez grandes descontos. "O ano foi muito competitivo", disse Storch. "Mas resistimos muito bem."

Um enorme desafio tem sido o recuo das vendas de videogames, uma vez que as crianças estão mais interessadas em jogos para iPhone e iPads. No ano passado, 8% das vendas da Toys eram videogames. Em 2009, a fatia havia sido de 11%.

A Toys também errou quando exagerou e abriu 600 lojas "op-up"(temporárias) no Natal de 2010. Derrapagens como essa ainda pesam nas finanças da companhia, que deve US$ 5,2 bilhões - sendo US$ 1,4 bilhão vencendo em 2013. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.