Lojas BR Mania: na era da mobilidade do futuro
Conteúdo Patrocinado

Lojas BR Mania: na era da mobilidade do futuro

Vibra aposta em novos formatos, mais produtos e serviços com foco total nas necessidades dos clientes

Vibra Energia, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

25 de setembro de 2021 | 07h30

As lojas de conveniência BR Mania, franquia ligada à rede de Postos Petrobras, estão em processo de modernização e expansão. Com novos formatos, novo visual, mix de produtos ampliado e transformação que promete reposicionar a “lojinha do posto” em um minicentro de compras e serviços.

São 1,2 mil lojas da BR Mania, em 450 cidades do País, nos mais de 8 mil Postos Petrobras, que agora são da Vibra Energia. A companhia (antiga BR Distribuidora) investe na mudança de conceito de mobilidade e conveniência, que engloba seus planos de se tornar modelo de transição para a nova era do carbono neutro, no mundo.

“A conveniência do futuro passa por colocar o cliente no centro das decisões e ir aonde ele estiver, seja na loja, na casa, no trabalho”, afirma a gerente sênior de Franquias da Vibra, Natalia Cid. Ao lado do diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios e Marketing, Léo Burgos, ela participou de uma live promovida pelo Estadão Blue Studio e pela Vibra, sobre “Conveniência e mobilidade do futuro”.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O nosso negócio nasceu em posto, especialmente para ajudar o negócio de posto de combustíveis
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Natalia Cid, gerente sênior de Franquias da Vibra

O foco dos negócios da BR Mania e dos postos agora é o cliente – não o carro. “O nosso negócio nasceu em posto, especialmente para ajudar o negócio de posto de combustíveis”, disse Natalia. Por isso, por muito tempo, o foco primário era o automobilista, que ia abastecer e aproveitava para fazer uma compra rápida ou uma compra de reposição do lar. “Essa transformação do futuro é isso, deixar de simplesmente estar ali, pronta para abrir as portas e esperar aquele automobilista.”

A conveniência ampliada envolve “ajudar o consumidor final a resolver cada vez mais coisas naquele ponto de vendas”. “A conveniência ampliada traz uma visão de que,  entendendo a necessidade do consumidor, o que mais eu posso agregar naquele ponto de venda?”, exemplifica Natalia.

Nessa missão, conhecer os hábitos e desejos dos clientes é peça-chave, nos planos da Vibra. Segundo ela, o novo conceito de negócios busca entender quem é o consumidor e “sua jornada de vida, suas necessidades e desejos”, e assim ir aonde ele precisa.

ERA DOS DADOS

Referência em lojas de conveniência no Brasil – são quase 30 anos de história –, a rede de franquias já usa ciência e tecnologia de dados, por exemplo, para definir o sortimento dos produtos vendidos e vai usar seus canais para se aproximar ainda mais do cliente.

“Quando a gente olha dentro do nosso próprio quintal, a gente tem aí uma oportunidade dentro de casa. Conhecendo melhor esse consumidor, ajustando o formato de loja, a expandir esse negocio de conveniência dentro da própria rede onde estamos localizados”, afirmou a gerente de Franquias da Vibra.

Um negócio que movimenta mais de 65 milhões de transações por ano e só cresce. “A gente tem essa propriedade muito interessante de uma presença grande no território brasileiro”, disse Natalia. Com esse volume de transações, “temos 65 milhões de oportunidades de conhecer e falar com os nossos consumidores para buscar entender cada vez mais as suas necessidades”.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O que a gente acredita que realmente vai fazer a diferença e já está fazendo é conhecer profundamente os hábitos dos clientes
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Léo Burgos, diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios e Marketing

A Vibra tem reforçado os canais de relacionamento com o cliente para conhecer melhor suas necessidades e desejos. “O que a gente acredita que realmente vai fazer a diferença e já está fazendo é conhecer profundamente os hábitos dos clientes”, explicou Burgos.

Segundo ele, o programa de fidelidade Premmia dos Postos Petrobras é um importante canal. “Para conhecer os hábitos dos clientes, você precisa se engajar com eles, ter um canal de relacionamento com eles, e o nosso canal é o programa de relacionamento Premmia.”

CONECTIVIDADE

As novas tecnologias, as mudanças de hábitos de consumo e a pandemia da covid-19 têm acelerado as transformações no mundo. “O negócio de conveniência vive uma transformação, mas eu acredito que a gente pode expandir esse conceito de transformação para todo varejo global, inclusive, que precisou ressignificar sua relação com seus clientes, com seu consumidor”, afirmou Natalia.

Para ela, o cliente “está mais conectado, tem menos paciência de espera, tem mais acesso a informação”.

Para Burgos, a Vibra agiu rápido na pandemia. Uma das respostas foi acelerar parcerias com as grandes plataformas de delivery. “Isso em junho do ano passado. E permitiu que, naquele momento de mobilidade extremamente reduzida, as pessoas continuassem tendo acesso a produtos e serviços de que elas precisavam”, explicou Burgos.

Segundo ele, as parcerias fechadas de forma centralizada pela Vibra trouxeram  vantagens para os franqueados. “O mais interessante aí é que aqueles que continuaram utilizando as plataformas de delivery estão vendendo 40% mais do que vendiam nesse período de pandemia, o que é superior ao período pré-pandêmico.”

Natalia afirmou que, mesmo na pandemia, as vendas na BR Mania de algumas categorias chegaram a aumentar. “E a gente fechou o ano com uma queda muito menor do que muitos segmentos no varejo, menos de 10% de redução de faturamento. Isso mostra a resiliência desse negócio por estar próximo de o consumidor.”

A conclusão de Burgos é que as entregas “vieram para ficar”. “E quem souber operar essas novas plataformas, nesse novo jeito de o consumidor se relacionar com o seu varejo, certamente vai ter um diferencial e vai poder performar melhor do que a média.”

RESULTADOS

Os planos de expansão e modernização das lojas BR Mania e dos Postos Petrobras, da Vibra, devem beneficiar franqueados, donos de postos e principalmente os consumidores, explicam os executivos. Para a Vibra, essa não é uma tendência nacional, mas sim internacional. Os grandes grupos já perceberam o potencial do mercado varejista e as tendências de comportamento dos consumidores, sobretudo após o surgimento da pandemia da covid-19.

“Pesquisas mostram que uma loja de conveniência agrega até 15% no volume dos postos, então é bem impactante você oferecer esse serviço”, explica Natalia. Para Burgos, a velocidade de evolução das economias e sociedades exige “uma capacidade  de adaptação muito grande, não só dos negócios, mas de nós, cidadãos”. “Cada vez mais as pessoas têm que se adaptar ao mundo frenético em que a gente vive. E aí, quem puder se posicionar, que puder oferecer soluções que facilitem a vida, que sejam de fato convenientes, de certa forma vai poder aproveitar esse momento e se diferenciar no mundo dos negócios.”

MARCAS DOS Postos Petrobras E BR MANIA NÃO MUDAM

As marcas BR Mania e Postos Petrobras não vão mudar, com a Vibra. “Como a gente lançou essa marca pouco tempo atrás, está todo mundo curioso em saber se os postos vão mudar de nome, se as lojas vão mudar. E a resposta é não. Temos um contrato de dez anos de licenciamento de marca com a Petrobras, renováveis por mais dez. E ficamos feliz com isso, os Postos Petrobras são Top Of Mind, somos líderes nesse segmento, nessa categoria, e a marca BR Mania é de propriedade da Vibra. Então não faz sentido nenhum a gente abrir mão dessa marca também, bastante reconhecida.”

O que está mudando é a identidade visual dos postos. Recentemente a Vibra iniciou um grande processo de renovação da identidade visual dos Postos Petrobras. “No caso das lojas de conveniência, a gente foi muito além, mexendo o layout, mas também modernizando e simplificando significativamente o modelo de operação das lojas.”

Parcerias com grandes players exploram negócios de proximidade

No processo de expansão e transformação dos negócios da Vibra com as franquias de conveniência BR Mania e com os revendedores o objetivo é o uso do espaço nos postos e próximo deles para outros serviços.

Cada vez mais haverá nas lojas físicas a opção de padarias, hortifrútis, bombonieres, açougues, pet shops, lojas de bebidas, mercearias, etc. A Vibra fechou, por exemplo, com as Lojas Americanas, uma primeira grande parceria – que ainda aguarda aprovação do Cade. A união vai manter a marca BR Mania nas lojas dos postos. Fora desses estabelecimentos, a empresa utilizará a marca Local. Parcerias com outros grandes players também estão no horizonte.

“Estamos superentusiasmados. Vamos unir essas duas empresas, que são líderes no setor de atuação de cada uma delas”, afirmou a gerente sênior de Franquias da Vibra, Natalia Cid. “O que podemos dizer é que vamos unir a nossa experiência de franqueadora e gestora de um grande canal de postos e rede de lojas de conveniência com a expertise de uma varejista líder no mercado físico e no mercado digital.”

Na live promovida pelo Blue Studio Estadão e pela Vibra, Natalia Cid explicou o potencial que a parceria poderá agregar: competência de operação própria, de eficiência operacional, com uma plataforma de suprimento, incluindo mais de 18 centros de distribuição e outros pequenos centros de apoio para distribuição de produtos, estrutura de compras centralizada, tecnologia, inovação, entre outros.

“Contribuirá em muito para a transformação digital e a transformação de negócio das lojas BR Mania e dos Postos Petrobras. Porque a gente agrega um know-how muito valioso.”

Natalia explicou que o modelo de operação desta nova empresa, que nascerá da parceria entre a Vibra e as Americanas, “prevê tanto lojas franqueadas como operação própria, prevê lojas dentro e fora de postos”. “As lojas dentro de postos se mantêm na marca BR Mania, mas as lojas fora de postos têm a marca Local Americanas, marca que é um modelo de negócios hoje das Americanas para loja de proximidade.”

Segundo Natalia, essa e outras parcerias vão impulsionar ainda mais a “estratégia de crescimento da Vibra, tanto em numero de lojas como também crescimento de negócios”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.