Lojas do Bom Retiro queimam estoque de verão

Conhecido como um dos maiores pólos de confecções populares da cidade, o Bom Retiro quer virar uma área de referência para a moda brasileira. E ser considerado um centro divulgador de tendências. Até este sábado, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da região irá promover o ´Liquida Bom Retiro´, com descontos de até 50% para queimar todo o estoque de verão e colocar à mostra peças feitas de acordo com as propostas internacionais para a estação outono/inverno."No mesmo dia que a Fórum e a M.Officer mostravam na São Paulo Fashion Week estampas de bichos e novas lavagens de jeans, nossos consumidores já compravam peças semelhantes aqui", alfineta Barbara Heliodora, estilista da loja Morina. "Ou você acha que o pessoal do Fashion Week também não copia os estilistas estrangeiros?" Os lojistas do Bom Retiro não esperam os lançamentos das coleções das grandes marcas chegarem às lojas brasileiras.Os comerciantes coreanos - que na década de 70 chegaram ao bairro desalojando meio mundo e hoje são responsáveis por 90% dos negócios locais - vão a Paris, Londres e Milão, badalados centros da moda, e voltam com malas abarrotadas de roupas, anotações, fotos e revistas que usam como referência para suas criações. "Nossa moda tem qualidade e estilo e custa muito menos da metade do valor cobrado nos shoppings", diz Heliodora. Disputa pela vitrine mais bonitaAtualmente, o Bom Retiro recebe 20 mil pessoas por dia, gera cerca de R$ 2 bilhões por ano e consome 70 mil toneladas de tecido no mesmo período. "Os coreanos fizeram muito bem para a região", analisa Shlomo Shoel, presidente da CDL e proprietário de uma confecção. "Criou-se uma concorrência para ver quem tem a vitrine mais bonita, e isso também se refletiu na qualidade e na sofisticação das roupas."A mudança alterou o perfil da clientela - hoje patricinhas e madames disputam as calçadas com as sacoleiras - e resultou em fachadas que não fariam feio mesmo na luxuosa Rua Oscar Freire, nos Jardins. Andares inteiros foram destruídos para dar lugar a lojas de pé direito altíssimo, que chegam a 10 metros em alguns casos.A parte nobre da moda fica abrigada nas Ruas Aimorés e Professor Césare Lombroso. É bem fácil identificá-las: se você só vê carros importados estacionados, lojas com cartazes em italiano "vendita promozionalle", "collezione" ou"verano", está no lugar certo. A Rua José Paulino é a mais conhecida e mais cheia de lojas populares. Em visita ao bairro, o principal é deixar o preconceito de lado. A primeira lição é andar sem direção e se perder pelas ruas. Quanto mais longe você for, maior a chance de encontrar peças diferenciadas.Agora é considerado "in" passear pelas ruas do Bom Retiro. Nos sábados, é fácil encontrar madames, moderninhos, patricinhas e outras vítimas da moda por ali. O único obstáculo para o consumidor comum é que durante a semana algumas lojas trabalham somente por atacado. Neste caso, as consumidoras podem optar pelo sábado, quando as lojas vendem a varejo e o movimento lembra final de campeonato de futebol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.