Lojas dos EUA atraem cautelosos clientes na 'Black Friday'

Os consumidores norte-americanos lotaram as lojas antes mesmo do amanhecer desta sexta-feira para aproveitar o máximo das vendas do feriado, mas muitos prometeram reduzir os gastos frente à contração econômica. Varejistas do Wal-Mart, Macy's, Kohl's e Best Buy abriram as portas nas primeiras horas da "Black Friday", dia seguinte ao feriado de Ação de Graças e um dos mais importante para as compras do ano, oferecendo altos descontos para os consumidores que esperavam em fila. "Eu estou aqui para economizar dinheiro. A recessão está aí", afirmou Tammy Williams, 36, enquanto permanecia na fila esperando a abertura da Kohl's às 4h (horário local) em West Peterson, Nova Jersey. "Eu estou apenas procurando por uma barganha, qualquer coisa para economizar algum dinheiro. Eu vou guardar o resto para comprar comida." A "Black Friday" testará a confiança dos consumidores, importante motor da economia dos Estados Unidos, à medida que o país enfrenta a pior crise financeira desde a Grande Depressão. A maioria das lojas costuma oferecer descontos maiores na "Black Friday". Diversas redes abriram durante o feriado na quinta-feira, para começar os negócios ainda mais cedo. Natalie Diaz, mãe de gêmeos de 32 anos, planeja gastar metade dos 2 mil dólares que separou no ano passado para os presentes de Natal, mas disse que não irá economizar nos presentes para seus gêmeos. Especialistas prevêem que este ano pode ter a pior temporada de compras desde o começo da década de 1990, à medida que os norte-americanos atingidos por um colapso habitacional e uma crise de crédito cortam gastos em basicamente todos os setores que não são aqueles de necesidades básicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.