Lojas seguram alta de preços para garantir vendas

Para garantir as vendas neste fim de ano, grandes redes varejistas se dizem dispostas a abrir mão de parte das margens de lucro e absorver os possíveis aumentos de preços que forem negociados com fornecedores, evitando assim o repasse para o consumidor. A estratégia é compensar a redução no lucro com o aumento no volume de vendas. A Casas Bahia, maior rede de varejo de eletroeletrônicos e móveis do País, por exemplo, anunciou que vai assumir o ônus de todos os aumentos de preços e de juros que vierem a ocorrer até a transição para o novo governo.O diretor administrativo-financeiro da empresa, Michael Klein, avalia que uma equipe de transição deverá tomar medidas capazes de controlar o câmbio e baixar os juros. Até lá, ele diz que as taxas de juros cobradas pela rede serão mantidas em até 4,5% ao mês, embora bancos já tenham sinalizado uma alta de 0,5 ponto porcentual no custo do dinheiro. Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.