Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Louis Dreyfus Commodities prepara capitalização no Brasil

Empresa estuda formas de levantar recursos, como emissão de ações ou venda de participação na operação de cana

O Estado de S.Paulo

27 de março de 2012 | 07h46

A LDC-SEV Bioenergia prepara uma operação de capitalização para os próximos meses, de acordo com o presidente do conselho deliberativo da Louis Dreyfus Commodities, Kenneth Geld. O executivo - que também é responsável pelo Brasil no comitê executivo global da multinacional - não descarta a possibilidade de uma eventual emissão de papéis ou mesmo a busca de um parceiro para a operação de cana-de-açúcar.

"Os instrumentos que serão utilizados para esta capitalização ainda estão em estudo", disse em entrevista à Agência Estado.

Mais detalhes o executivo não abre, justificando que a LDC-SEV está em período de silêncio em função de negociações que serão anunciadas em breve.

Fontes disseram à Agência Estado que a LDC-SEV já contratou os bancos Bradesco e Credit Suisse para buscarem interessados em entrar no capital da empresa. As dívidas no curto prazo da companhia se aproximariam de R$ 3 bilhões, segundo apurou a reportagem.

Geld lembra que está para se encerrar o período de dois anos que os acionistas minoritários teriam para optar em sair (ou não) do capital social da empresa. Estes minoritários - que representam cerca de 35% da estrutura acionária da LDC-SEV - vieram da Santelisa Vale (SEV), absorvida pela Louis Dreyfus Bioenergia em 2009. Na operação, a LDC assumiu a dívida da SEV em troca da fatia majoritária.

Acionistas ouvidos pela reportagem em condição de anonimato revelaram estar alinhados com a multinacional francesa na busca de uma solução para os problemas que a operação de açúcar e etanol enfrenta.

Rumores sobre a situação financeira da Louis Dreyfus Commodities surgiram no mercado há cerca de dois anos. A Louis Dreyfus estaria menos capitalizada em função da crise ter atingido o setor sucroalcooleiro após a compra da Santelisa Vale.

Além da elevada dívida que a Louis Dreyfus herdou da Santelisa Vale, a quebra da safra de cana-de-açúcar afetou a receita da LDC-SEV em 2011/2012. De uma capacidade instalada de 40 milhões de toneladas anuais, a moagem da última safra foi de apenas 29 milhões de toneladas.

Segundo Geld, o setor sucroenergético concentra a maior parte dos ativos da empresa no Brasil, seguido por citros e soja. Em termos de faturamento, contudo, a soja ainda é soberana. Por motivos estratégicos, a empresa não divulga o porcentual que cada commodity ocupa em sua receita. Em 2011, a Louis Dreyfus Commodities faturou US$ 60 bilhões globalmente, dos quais cerca de R$ 12,4 bilhões vieram do Brasil, uma fatia em torno de 12% do total.

Segunda maior processadora de cana-de-açúcar do Brasil, a produção do grupo é de 2,5 milhões de toneladas de açúcar e 1,5 bilhão de litros de etanol. Em função do tamanho da operação, fontes acreditam que possíveis parceiros viriam do setor petrolífero, como Petrobrás, Total, Shell ou BP. / EDUARDO MAGOSSI E GUSTAVO PORTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.