Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Lucro da Coca-Cola subiu 8,8% no segundo trimestre

A Coca-Cola informou nesta quinta-feira que seu lucro aumentou 8,8% no segundo trimestre em comparação com igual período de 2004, superando, assim, as previsões dos analistas de Wall Street. O lucro líquido foi de US$ 1,723 bilhão, equivalentes a 72 centavos por ação, frente ao US$ 1,584 bilhão, ou 65 centavos por título, de um ano atrás.Excluindo-se os ganhos excepcionais durante o trimestre, o lucro foi de US$ 1,64 bilhão, ou 68 centavos por ação, frente a previsões de 64 centavos feitas pelos analistas.As vendas totalizaram US$ 6,31 bilhões, 6,7% mais que no segundo trimestre do ano, graças a um aumento de 34% nas de água engarrafada Dasani. Registraram um aumento de 23% as vendas de bebidas para atletas, especialmente na América Latina e na Europa, assim como as dos refrigerantes dietéticos nos Estados Unidos.O volume de vendas por caixas cresceu 5% no segundo trimestre, graças em boa parte ao aumento de 7% das vendas internacionais. As receitas nos 200 mercados nos quais a companhia está presente são importantes porque representam 68% do negócio total da Coca-Cola.Em mercados como Brasil, Venezuela, China e Rússia, a empresa alcançou um crescimento de duplo dígito das vendas por caixas, enquanto caíram as de Alemanha, Filipinas e sobretudo Índia, onde a empresa diz ter empreendido ações para reorganizar seu negócio devido aos pobres resultados.Os melhores resultados de conjunto se produzem em um momento de reestruturação na empresa, que intensificou seus esforços no mercado de bebidas dietéticas e energéticas, assim como as águas com sabores para aumentar vendas e competir em melhores condições com a Pepsi. Esta outra empresa informou há poucos dias que seu lucro no segundo trimestre havia subido 13%; e suas vendas, 8,9%.A Coca-Cola desenvolveu uma campanha de promoção e ofertas e aumentou suas despesas em publicidade durante o primeiro semestre a fim de reforçar sua posição de liderança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.