Lucro da Copasa cresce 23,5% para R$ 356 milhões em 2006

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) encerrou 2006 com lucro líquido de R$ 356,437 milhões, um crescimento de 23,5% em relação ao ano anterior. Apenas no último trimestre do ano, a companhia alcançou um lucro líquido de R$ 55,728 milhões, ou 17,7% acima do registrado no mesmo trimestre de 2005.A receita líquida totalizou R$ 1,681 bilhão em 2006, indicando um crescimento de 13,9 frente a R$ 1,476 bilhão apresentado no ano anterior. No último trimestre, a receita líquida de R$ 427,419 milhões teve alta de 10,5%. O lucro bruto no ano subiu 15,9%, para R$ 925,482 milhões. No trimestre, houve alta de 5,8%, para R$ 221,770 milhões.O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia acumulou R$ 656,254 milhões em 2006, um incremento de 11,9% quando comparado a 2005. No último trimestre do ano, o Ebitda totalizou R$ 147,837 milhões, 6,9% acima do quarto trimestre de 2005.Em 2006, 11,5 milhões de habitantes foram atendidos pela Copasa com o abastecimento de água, o que correspondeu a um índice de atendimento de 97,7% de sua área de atuação e de 59,3% da população de Minas Gerais. No total, 584 municípios foram atendidos pelos serviços de água da companhia no ano, contra 570 ao final do ano anterior.O número de municípios atendidos por rede de esgoto passou de 78 em 2005 para 90 em 2006, beneficiando uma população de 5,8 milhões de pessoas. Em dezembro de 2006, a Copasa contava com a concessão para prestação de serviços de água em 610 municípios, além de 180 para serviços de esgoto. A expansão do mercado da companhia decorreu de duas novas concessões de água, além de onze novos municípios com concessões para esgotamento sanitário. Ainda, 24 concessões foram renovadas no ano - 22 referentes a serviços de água e duas a esgotamento sanitário.A Copasa investiu R$ 842,9 milhões em 2006, dos quais 46%, ou R$ 389,4 milhões, foram destinados à implementação, ampliação e melhoria dos sistemas de abastecimento de água. Já os sistemas de esgotamento sanitário e tratamento de esgoto receberam 50% dos investimentos, no montante de R$ 418,2 milhões. Os outros R$ 35 milhões, equivalentes a 4% do total investido, foram destinados a programas de melhoria operacional, desenvolvimento empresarial, bens de uso geral e outros. A dívida líquida caiu 64,0% em dezembro de 2006, na comparação com o mesmo mês de 2005, mas subiu 10,95 em relação a setembro, para R$ 382,774 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.