Lucro da Klabin cai 15% pressionado por alta de custos

A fabricante de papéis e embalagensKlabin anunciou nesta terça-feira que seu lucro líquido nosegundo trimestre caiu 15,3 por cento em relação ao mesmoperíodo do ano passado, para 175 milhões de reais. O resultado foi atingido por aumento de custos, entre elesde insumos como óleo combustível e produtos químicos. Segundo comunicado da companhia ao mercado, o custo dosprodutos vendidos no segundo trimestre cresceu 28 por cento nacomparação com o segundo trimestre de 2007, para 582,3 milhõesde reais. O custo subiu por causa do "aumento de preços de insumos(óleo combustível, produtos químicos e gás natural), dadepreciação dos equipamentos do MA 1100, além dos custosincorridos durante a parada para manutenção nas fábricas deCorreia Pinto e Otacílio Costa", informou a Klabin. O projeto MA 1100 envolve a expansão da capacidade deprodução de papéis para embalagens da fábrica de Monte Alegrede 700 mil toneladas/ano para 1,1 milhão de toneladas/ano. As despesas com vendas avançaram 18 por cento, para 79,5milhões de reais em função de maiores vendas e gastos comfretes. A empresa cortou despesas gerais e administrativas em 8 porcento. Com isso, a geração de caixa medida pelo lucro antes dejuros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla eminglês) somou 179 milhões de reais, queda de 10,3 por cento emrelação ao mesmo período do ano passdo. A margem Ebitda recuou de 28 por cento para 23 por cento,na mesma comparação. O faturamento subiu 9,2 por cento, para 780 milhões dereais. Já em volume, a Klabin registrou vendas de 412 miltoneladas, 9 por cento acima do registrado nos três mesesencerrados em junho do ano passado, sendo que o total exportadosubiu 10 por cento, para 152,6 mil toneladas. No mercadointerno, o volume de vendas cresceu 8 por cento, para 259,5 miltoneladas. A produção de papéis e cartões revestidos cresceu para416,7 mil toneladas, 3 por cento acima do apurado no segundotrimestre de 2007. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de RenatoAndrade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.