Lucro da Natura fica em R$ 79 mi no 1º trimestre

A fabricante de cosméticos Natura registrou lucro líquido consolidado de R$ 79 milhões no primeiro trimestre do ano, mostrando queda de 1,7% sobre o mesmo período de 2007. A receita líquida da empresa cresceu 10,8% e totalizou R$ 668 milhões. O lucro antes de despesas financeiras, impostos, depreciação e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) aumentou 5,8% e atingiu R$ 131,6 milhões.A queda de 1,7% no lucro líquido da Natura no primeiro trimestre deste ano deve-se à expansão do resultado negativo nas operações internacionais, em razão de investimentos maiores na implantação das atividades no exterior, de acordo com o diretor de Finanças e Informação da companhia, David Uba.Segundo a empresa, as operações da Argentina, Chile e Peru já atingiram o equilíbrio financeiro. Os gastos da companhia estão concentrados principalmente no México, Venezuela e Colômbia, que podem levar cerca de três anos para atingir o equilíbrio financeiro. A empresa atua também na França, com operação menor em relação aos demais mercados, onde tem como objetivo principal a construção da marca. A Natura previa entrar nos Estados Unidos ainda neste ano. De acordo com Uba, porém, o início de operação no país deverá ficar para 2009. "É um mercado difícil. Há de se planejar adequadamente", disse.No Brasil, ao contrário da operação externa, o lucro líquido pro forma foi 0,7% superior ao do mesmo trimestre de 2007. De acordo com Uba, os efeitos positivos do programa de reestruturação da companhia, anunciado no início deste ano e que inclui investimentos de R$ 400 milhões no triênio 2008/2010, inclusive os de marketing, deverão ser percebidos no segundo semestre. Segundo Uba, "praticamente nada" ainda foi aplicado no primeiro trimestre.Entre a estratégia de reestruturação, a companhia deverá concentrar as vendas num número menor de produtos. Neste ano, reduzirá para 780 itens colocados à venda. A companhia terminou 2007 com 930 produtos. A companhia deverá inaugurar no segundo semestre outros dois centros de distribuição. Os locais não foram informados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.