Lucro da Nokia cai 40% no 2º trimestre, para US$ 291,9 milhões

Fabricante de celulares disse, porém, que espera que novos dispositivos impulsionem uma recuperação ainda neste ano; ações sobem mais de 4% 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

22 de julho de 2010 | 09h12

A Nokia, maior fabricante de celulares do mundo, afirmou que seu lucro líquido recuou 40% no segundo trimestre, em razão do esforço da companhia para competir com rivais, como a Apple, no segmento de smartphone premium. A Nokia disse, porém, que espera que novos dispositivos impulsionem uma recuperação dos resultados ainda neste ano. Às 9h10, as ações da companhia registravam alta de 4,22%, cotadas a € 7,29.

O lucro líquido da Nokia caiu para € 227 milhões (US$ 291,9 milhões), em comparação com os € 380 milhões no mesmo período do ano passado, mas ficou levemente acima das estimativas dos analistas.

A companhia alertou em junho que seus lucros poderiam recuar, sinalizando o fracasso da companhia para competir efetivamente no segmento de smartphone de alta qualidade com a Apple, fabricante do iPhone, e no segmento de aparelhos baseados no Android, do Google.

O fracasso parece também colocar em risco a posição do executivo-chefe da companhia, Olli-Pekka Kallasvuo, após o Wall Street Journal informar na segunda-feira que o conselho de diretores da empresa tinha começado a procurar um novo líder. A empresa se recusou até agora a comentar sobre o assunto.

A Nokia disse que prevê vendas líquidas de € 6,7 bilhões a € 7,2 bilhões e uma margem operacional de 7% a 10% na sua unidade de serviços e aparelhos no terceiro trimestre. Para o ano cheio, a companhia projeta uma margem operacional na mesma unidade de 10% a 11%.

A companhia tinha previsto anteriormente uma leve queda do valor da participação de mercado dos seus dispositivos móveis e uma margem operacional de cerca ou abaixo de 11% na sua unidade serviços e aparelhos neste ano.

O preço de venda médio de seus celulares recuou para € 61 no segundo trimestre, de € 62 no trimestre anterior. A margem operacional da unidade de serviços e aparelhos caiu para 9,5%, de 11,6%.

As vendas líquidas subiram levemente no segundo trimestre, para € 10 bilhões, de € 9,91 bilhões no mesmo período do ano passado, marginalmente acima das projeções do mercado. O lucro operacional recuou para € 295 milhões, de € 427 milhões, na mesma base de comparação. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.