Lucro da Petrobras sobe 33%, para R$ 6,675 bilhões

Em meio à crise do gás boliviano, da qual é protagonista, a Petrobras divulgou nesta sexta-feira o seu balanço financeiro do primeiro trimestre: a empresa registrou lucro de R$ 6,675 bilhões nos três primeiros meses de 2006, resultado 33% maior do que o registrado no mesmo período de 2005. Segundo a empresa, o desempenho reflete um reajuste de 14% nos preços do petróleo e derivados no mercado interno, além do aumento na produção de petróleo (14%) e derivados (6%) no País.Em apenas um trimestre, a estatal brasileira teve um lucro semelhante a 1/3 de toda a riqueza gerada pela Bolívia em 2005: convertido para o dólar, o lucro da Petrobrás foi de US$ 3,3 bilhões, enquanto o PIB boliviano no último ano foi de US$ 9,5 bilhões. Em comunicado divulgado ao mercado financeiro, o país vizinho ganhou destaque na mensagem do presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli. Após comemorar o "excelente" resultado obtido, o executivo diz que não pode deixar de comentar os fatos recentes na Bolívia. Segundo ele, embora as atividades na Bolívia não sejam significativas denrto do conjunto de ativos da companhia, a empresa vem tentando preservar o retorno dos investimentos, "buscando até a última instância" o respeito aos contratos. Petrobrás e o governo boliviano negociam os termos da nacionalização das reservas do país vizinho.A área internacional da Petrobrás sentiu os efeitos do aumento de impostos promovido pelos bolivianos em maio de 2005. Os negócios internacionais registraram lucro de R$ 236 milhões no trimestre, 56% a menos do que no mesmo período de 2005. A apreciação de 19% do real frente ao dólar, o aumento dos impostos na Bolívia para 50% e os efeitos do furacão Katrina foram apontados como as principais razões para uma queda de R$ 119 milhões no resultado. No último dia 1º de maio, o governo boliviano aumentou mais uma vez os impostos, para 82%, medida que deve impactar o balanço do segundo semestre desta ano.No Brasil, a Petrobrás aumentou a produção de petróleo e derivados, garantindo uma exportação líquida (exportações menos importações) de 58 mil barris por dia, em média. As vendas de combustíveis no mercado interno cresceram 4%, atingindo os 1,649 milhão de barris por dia. A produção nacional de petróleo ficou em 1,751 milhão de barris por dia, acima do consumo. Já a produção de derivados no País atingiu uma média de 1,812 milhão de barris por dia, 6% acima do registrado no mesmo período de 2005.O resultado do primeiro trimestre também foi impactado pelos reajustes promovidos nos preços da gasolina e do diesel em setembro do ano passado, além de aumentos em produtos menos populares no período. Segudno a estatal, o preço médio de venda dos derivados no Brasil ficou em R$ 153,16 por barril, 14% maior do que a média dos três primeiros meses do ano passado. O aumento dos preços, aliado ao maior nível de produção, provocaram um crescimento de 20% na receita da companhia no trimestre, que foi de R$ 35,866 bilhões.A Petrobrás investiu R$ 5,914 bilhões no primeiro trimestre, sendo que R$ 3,359 bilhões forma destinados à área de exploração e produção.

Agencia Estado,

12 de maio de 2006 | 21h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.