Lucro da UPS sobe 1,8% mas fica abaixo das expectativas

A companhia norte-americana de entregas expressas United Parcel Service (UPS) decepcionou o mercado, apesar de ter registrado um aumento de 1,8% no lucro líquido do terceiro trimestre. Segundo analistas, o resultado reflete as dificuldades enfrentadas pelos clientes da transportadora, o que poderá prejudicar seus resultados no quarto trimestre do ano. De acordo com o anúncio feito nesta terça-feira pela companhia, seu lucro líquido encerrou o período em US$ 578 milhões, contra US$ 568 milhões no ano passado. A receita total subiu 4,8%, e ficou em US$ 7,75 bilhões. Os resultados divulgados ficaram 3% abaixo das expectativas de analistas do Thomson First Call. "As empresas de entregas expressas não tiveram uma recuperação do tráfego de cargas - como aconteceu com algumas companhias de transporte ferroviário. Elas ainda enfrentam a diminuição dos envios realizados por empresas tecnologia e telecomunicações", explicou o analista James Valentine, da Morgan Stanley Dean Witter em Chicago. Mesmo assim, a UPS disse estar satisfeita com os resultados no mercado internacional e acredita que os números do trimestre são positivos diante da atual situação econômica norte-americana. "Nós administramos muito bem nosso negócio, diante das difíceis condições do mercado", explicou o diretor financeiro da UPS, Scott Davis. "Nos Estados Unidos, nossos níveis de prestação de serviços são elevados e a empresa se mantém bem posicionada para uma recuperação da economia local". De acordo com a empresa, a receita proveniente de operações internacionais subiu 17% no período, atingindo US$ 1,18 bilhão. Ao mesmo tempo, o lucro operacional dessas operações saltou de um prejuízo de US$ 4 milhões em 2001, para um lucro de US$ 65 milhões este ano. A UPS justificou a mudança por um crescimento da demanda européia e por uma maior penetração em mercados como a Ásia.A empresa afirmou ainda que a receita proveniente do mercado norte-americano totalizou US$ 5,89 bilhões, um aumento de 1,4% em comparação ao mesmo período do ano passado. O lucro operacional no mercado doméstico caiu 9,6%, para US$ 809 milhões. Nos nove meses encerrados em 30 de setembro, a companhia registrou uma receita total de US$ 23 bilhões, um aumento de 3,1% em comparação aos US$ 22,3 bilhões registrados no mesmo período de 2001. O lucro líquido ficou em US$ 1,75 bilhão, contra US$ 1,78 bilhão no mesmo período de 2001. Desde o início do ano, foram realizadas cerca de 13 milhões de entregas em todo o mundo, o que equivale a uma queda de 1,8% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2002 | 18h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.