Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Lucro da Vale tem queda de 24% no 1º trimestre, para R$ 23 bilhões

Resultado foi atribuído aos efeitos da chuva de início de ano no Brasil sobre a operação da companhia; efeito negativo foi parcialmente compensado por alta das commodities, que reflete a guerra entre Rússia e Ucrânia

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2022 | 18h45

Diante dos efeitos das intensas chuvas no início do ano em sua operação, a mineradora brasileira Vale apresentou um lucro líquido de R$ 23 bilhões no primeiro trimestre, queda de 24% em relação ao mesmo intervalo do ano passado. O resultado mais fraco por parcialmente compensado com  o preço do minério de ferro, cuja valorização ganhou ainda mais tração com a guerra da Rússia contra a Ucrânia. Em dólares, o ganho da mineradora no período foi de US$ 4,46 bilhões, abaixo das expectativas dos analistas ouvidos pelo serviço Prévias Broadcast.

Já a receita líquida da mineradora somou US$ 10,8 bilhões no período, recuo de 14% na comparação anual, conforme balanço divulgado nesta quarta-feira, 27. Ganhos menores no início do ano já tinham sido previstos pelos analistas que acompanham a empresa. Oficialmente, a Vale divulga seus dados financeiros em dólar, visto que o faturamento da companhia é majoritariamente na moeda.

O lucro líquido de US$ 4,46 bilhões da Vale no primeiro trimestre  ficou 12,19% abaixo da média de US$ 5,08 bilhões apurada pelo Prévias Broadcast, com base nas estimativas de três casas (BTG Pactual, Santander e Inter). O serviço considera que o resultado vem em linha com o esperado quando a variação para cima ou para baixo em relação às exepctativas é de até 5%.

O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, admitiu o resultado abaixo do esperado por conta de um contexto mais desafiador.  “Aproveitamos os volumes sazonalmente menores para realizar atividades de manutenção que nos levarão a operações mais seguras e produção sólida à frente”, afirmou, em documento que acompanha o demonstrativo entregue à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

No primeiro trimestre do ano o preço do minério de ferro, seu produto carro-chefe, foi negociado pela empresa, na média, por US$ 141,40 a tonelada, ante US$ 107,20 a tonelada no último trimestre do ano passado. No primeiro trimestre do ano passado, contudo, os preços estavam ainda mais elevados, em US$ 157,20 a tonelada.

Efeitos das chuvas

Com os efeitos do clima, a produção de minério de ferro pela Vale no intervalo entre janeiro e março atingiu 63,9 milhões de toneladas, queda de 6% em relação ao igual período do ano passado. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, houve queda de 22,5% no volume produzido. Esse efeito foi resultado da interrupção de quatro dias da Estrada de Ferro de Carajás, atrasos de licenciamento na Serra Norte e a piora da relação entre estéril e minério no mina S11D, em Canaã dos Carajás, no Pará.

Com o volume de produção e venda no início do ano, instituições financeiras já começaram a revisar suas estimativas para o ano. O JPMorgan, por exemplo,  reduziu a estimativa que tinha para as vendas de minério de ferro da Vale neste ano, de 320 milhões de toneladas para 315 milhões de toneladas. A projeção oficial da Vale, divulgada no fim do ano passado, era de um volume entre 320 milhões de toneladas e 335 milhões de toneladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.