coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Lucro da Volks mundial sobe 4.017% em relação a 2006

Resultado foi puxado pelas vendas na China, América do Sul e Leste Europeu

Agências Internacionais, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2007 | 00h00

A Volkswagen obteve lucro líquido de 947 milhões (US$ 1,35 bilhão) no terceiro trimestre deste ano, um volume 4.017% superior ao de 23 milhões apurado em igual período do ano passado e maior que a previsão média de 865 milhões dos analistas.O lucro antes de impostos aumentou 825% nessa base de comparação, passando de 186 milhões para 1,72 bilhão e também ficou acima da previsão média de 1,35 bilhão. A receita cresceu 3,9%, passando de 25,14 bilhões para 26,12 bilhões. Analistas previam 26,79 bilhões, em média.De acordo com a Volks, a forte demanda por carros, particularmente na China, América do Sul e Europa Oriental, ajudou o grupo a melhorar seus resultados. ''''O mercado automotivo chinês é de longe o principal impulsor da demanda automotiva global'''', informou a companhia.As entregas de veículos na China, um sinal do desempenho das vendas, aumentaram mais de 30% nos primeiros nove meses deste ano em comparação com igual intervalo do ano passado, para 689.795 unidades.A empresa está a caminho de vender este ano mais de seis milhões de veículos, pela primeira vez em sua história, e reiterou que seu lucro antes de impostos ao final de 2007 será de pelo menos 5,1 bilhões.As ações da Volks mais do que dobraram de preço nos últimos 12 meses, um dos melhores desempenhos do setor automobilístico europeu. Essa valorização se segue às medidas de reestruturação implementadas nos últimos anos para reduzir a base de custos de suas operações na Alemanha.PORSCHEEm entrevista ao Sueddeutsche Zeitung, o presidente da Volks, Martin Winterkorn, disse que a empresa continuará como uma montadora independente, mesmo após uma possível compra pela Porsche. Segundo Winterkorn, a Volks é uma das mais conhecidas e desejadas marcas no mundo. ''''Ela tem um valor enorme.''''Embora seja a maior acionista da Volks, com 30,9% das ações, a Porsche não controla a companhia. Com 20,7% dos papéis, o estado alemão da Baixa Saxônia é efetivamente o controlador da companhia.Isso ocorria por causa da chamada ''''Lei Volkswagen'''', criada em 1960 para regulamentar a privatização da montadora. A regra tinha como objetivo proteger a empresa de uma possível oferta hostil (OPA), já que limitava o direito de voto de qualquer acionista a 20% do capital, independentemente do número de ações. Na prática, a regra permitia que o governo controlasse a Volks.Essa semana, o Tribunal de Justiça da União Européia (UE) anunciou um veredicto contrário à lei, o que abre portas para que a Porsche possa aumentar sua participação na empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.