Lucro das companhias cresce em 9 meses

Os primeiros balanços das companhias abertas revelam que os lucros acumulados até setembro evoluíram 221% em relação ao mesmo período de 99. Apesar da interferência do câmbio nos números do ano passado, o aquecimento econômico engordou o caixa das empresas este ano. Segundo levantamento feito pela Agência Estado com base em 12 demonstrações de resultado de grandes empresas, a receita líqüida cresceu 34%, totalizando R$ 17,3 bilhões. A geração operacional da caixa, medida pelo Ebitda - sigla inglesa que significa rendimento da empresa sem considerar os juros, impostos, amortizações e depreciações -, somou R$ 5,8 bilhões, com aumento de 15% em relação aos nove primeiros meses de 99. Operacionalmente, as companhias melhoram cerca de 200%. Os balanços analisados incluíram empresas de mineração e siderurgia, papel e celulose e telefonia celular. Mineradoras e SiderúrgicasEntre as mineradoras e siderúrgicas, o melhor desempenho até agora foi da Vale do Rio Doce, que dobrou seu lucro até setembro, para R$ 1,6 bilhão. O resultado impulsionou a marca do setor, cujo lucro acumulado já se expandiu 67,4%. O analista Rodolfo de Angele, do Banco Chase Manhattan, diz que o bom desempenho decorre do aquecimento da economia. Ele destacou a melhora no quadro de preços, com a desvalorização do real - já que os produtos são cotados em dólar - e com os aumentos no mercado internacional. O impacto da alta do dólar sobre as dívidas já foi absorvido pela maioria das companhias.Telefonia celularNas empresas de telefonia celular, a evolução do lucro até setembro está em 215,4%. Para o analista do Bear Stearns, Alexandre Constantini, o resultado demonstra que as companhias estão mais preocupadas em retomar a lucratividade. Entre quatro empresas do setor, a maior evolução na geração de caixa foi da Tele Sudeste Celular - de 193,6%. Papel e celuloseO segmento de papel e celulose reverteu um prejuízo de R$ 54,8 milhões para lucro de R$ 796,8 milhões. O analista Pedro Martins, do Chase, ponderou que a performance excepcional deve ser analisada levando-se em conta que o setor teve um comportamento atípico no ano passado. Ele explicou que o preço médio da celulose, nos primeiros nove meses de 99, estava bem abaixo do verificado no mesmo período deste ano. No global, a receita do setor cresceu 39,5%, para R$ 2,6 bilhões. O horizonte de dividendos mais polpudos, no entanto, não tem seduzido os investidores. Este ano, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) acumula perda de aproximadamente 20%. No último dia 25, a Bolsa atingiu 13.665 pontos, chegando bem perto do pior resultado registrado este ano: 13.587 pontos, em 23 de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.