Lucro de bancos deve crescer pouco

Os lucros dos bancos no terceiro trimestre devem subir entre 1% e 4%, na comparação com o período anterior, segundo projeção da BBV Corretora. Os números devem mostrar queda, no entanto, em relação a 2001. A instituição divulgou um estudo com estimativas para as três maiores instituições privadas brasileiras, pela ordem: Bradesco, Itaú e Unibanco. Para os analistas Gustavo Teran e Catarina Pedrosa, responsáveis pelo trabalho, a depreciação de 33% do real no trimestre deve produzir ganhos cambiais para os bancos - o que deve colaborar para um impulso nos lucros. No entanto, eles estimam que os bancos respondam reforçando provisões para perdas com empréstimos e títulos ou para perdas com apreciação do real, cenário provável após a eleição. Os analistas acreditam que os prejuízos com a marcação a mercado dos títulos sejam mais do que compensadas pelos ganhos cambiais. Os especialistas estimam receitas de serviços e com empréstimos estáveis em relação ao segundo trimestre. "Não prevemos significativa deterioração na qualidade do crédito." No entanto, as medidas estabelecidas neste mês pelo Banco Central para diminuir a pressão sobre a inflação e sobre o câmbio devem afetar negativamente as instituições. "O aumento no valor do capital dos bancos para cobrir posições em ativos em moeda estrangeira foi a medida de maior impacto, levando à redução do índice da Basiléia dos três bancos", diz o estudo. Pelos cálculos dos analistas, o Índice da Basiléia deve ter diminuído 400 pontos base do segundo para o terceiro trimestre, no caso do Itaú, ficando em 11,3%; 170 pontos no Bradesco, para 11,3%; e 160 pontos no Unibanco, recuando para 11,8%. "Entretanto, o Itaú indicou que seu Índice da Basiléia provavelmente terminou setembro acima de 13%, e os demais bancos também devem ter tomado medidas para reduzir os efeitos das novas regras do Banco Central", diz o relatório. Para o Bradesco, a projeção de lucro para o terceiro trimestre é de R$ 500 milhões, o que significa um avanço de 4% em relação ao trimestre anterior, porém, uma queda de 3,5% em comparação com o mesmo período de 2001. O Itaú deve ter lucro líquido um pouco maior, de R$ 561 milhões, com aumento de 3% em relação ao segundo trimestre e recuo de 20% sobre 2001. Trata-se da instituição que possui a maior posição líquida em dólar, de cerca de US$ 1,9 bilhão. Já o Unibanco, deve ter lucro de R$ 256 milhões, segundo os analistas, subindo 1% em relação ao trimestre precedente e caindo 15% na comparação com o mesmo período de 2001. "As carteiras de empréstimos dos bancos só devem mostrar crescimento nos créditos em moeda estrangeiras", afirmam. Apesar das medidas do BC e da volatilidade do mercado, os analistas elevaram no dia 15 de outubro as estimativas para o setor e conferiram recomendação de compra aos três papéis. "Enquanto o mercado considera quase 50% de probabilidade de um ´default´ da dívida pública, nossas avaliações indicam que tal cenário tem apenas 7% de possibilidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.