Lucro do ABN Real sobe para R$ 652 mi no 1º trimestre

O banco ABN Amro Real apresentou no primeiro trimestre do ano lucro líquido de R$ 652 milhões, o que representa um crescimento de 5% sobre o mesmo período do ano passado. O lucro líquido recorrente, que exclui itens extraordinários, recuou 12,4%, para R$ 573 milhões. Houve dois fatores excepcionais no período: impacto negativo de R$ 13 milhões relativo à estrutura de proteção ao capital e R$ 92 milhões positivos decorrentes da venda de participação na Visa Internacional.Segundo o presidente da instituição, Fabio Barbosa, o principal destaque do balanço foram as operações de crédito, que cresceram 34% em relação aos primeiros três meses de 2007, para R$ 68,698 bilhões ao final de março. ?A demanda por crédito permanece firme e forte, principalmente nos segmentos imobiliário, onde crescemos 44%, e de pequenas e médias empresas, no qual a expansão chegou a 43%?, afirmou.Graças a esse desempenho, o presidente do ABN Amro mantém a previsão de que o crédito total da economia brasileira deve ter expansão de 20% a 25% em 2008, apesar de o Banco Central (BC) ter iniciado no mês passado um novo ciclo de alta da taxa básica de juros. Na ocasião, a Selic foi elevada de 11,25% para 11,75% ao ano.SantanderO controlador do banco ABN Amro Real, o holandês ABN Amro, foi vendido em outubro do ano passado para um consórcio integrado pelo espanhol Santander, pelo belga-holandês Fortis e o britânico Royal Bank of Scotland.A unidade brasileira será controlada pelo banco Santander Brasil que, por sua vez, será dirigido por Barbosa. Segundo ele, a integração das duas instituições depende da aprovação do Banco Central da Holanda e do BC do Brasil. O sinal verde dos holandeses deve vir, segundo Barbosa, no terceiro trimestre. ?Até lá, continuo dando expediente por aqui (sede do ABN Real)?, brincou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.