Reuters
Reuters

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Lucro do Banco do Brasil cai 23,3% no 3º trimestre, para R$ 3,482 bilhões

Resultado foi afetado pelo aumento nas reservas para possíveis perdas com empréstimos, por causa da crise causada pela pandemia

Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 08h30

O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,482 bilhões no terceiro trimestre, com queda de 23,3% em relação o mesmo intervalo de 2019. O resultado foi afetado pelo aumento de suas provisões para devedores duvidosos (PDD) - reservas para possíveis perdas com empréstimos -, que teve crescimento de 40,5%, na mesma base de comparação. 

"Diante das incertezas econômicas provocadas pela pandemia, o banco constituiu, de forma conservadora, antecipação prudencial de provisões de crédito, em um valor de R$ 2 bilhões neste trimestre, ainda que o índice de inadimplência (operações vencidas há mais de 90 dias) em setembro tenha caído em relação ao trimestre anterior e se situado em 2,43%. No acumulado em 9 meses, as antecipações prudenciais de provisões totalizaram R$ 6,0 bilhões", disse o banco em relatório.

Na comparação com o segundo trimestre, o lucro avançou 5,2%. Nesse caso, o número foi influenciado, principalmente, pela redução de 6,8% nas provisões para devedores duvidosos, pelo desempenho positivo das receitas com prestação de serviços, que cresceram 4,5%, e pelo controle de custos, com redução de 0,2% nas despesas administrativas.

No acumulado do ano, o lucro líquido ajustado do BB foi de R$ 10,189 bilhões, cifra 22,9% menor que a vista um ano antes.

A carteira de crédito ampliada cresceu 6,4% nos últimos 12 meses e alcançou R$ 730,9 bilhões, com destaque para desempenhos dos segmentos pessoa física, pequenas e médias empresas e rural, que cresceram 6,2%, 17,9% e 5,3% respectivamente, em meio a estratégia do BB de alteração do mix da carteira. O BB chama a atenção para o desempenho positivo no crédito consignado, que avançou 15,2% em 12 meses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.