Lucro do BB cresce 87,4% e chega a R$ 2,028 bi

O Banco do Brasil encerrou o ano passado com lucro líquido de R$ 2,028 bilhões, o que representa um crescimento de 87,4% em relação ao resultado de R$ 1,082 bilhão alcançado em 2001. O lucro por lote de mil ações em 2002 foi de R$ 2,77. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido foi de 22,6% no ano passado, contra 12,9% no exercício anterior. No último trimestre de 2002, o BB teve um lucro de R$ 600 milhões, que é 80,7% maior do que o ganho de R$ 332 milhões de igual período do ano anterior. O resultado, entretanto, é menor do que o lucro de R$ 605 milhões registrado no terceiro trimestre de 2002. Os dividendos a serem pagos pelo Banco do Brasil no exercício de 2002 serão de R$ 579,5 milhões. O valor, de acordo com a instituição financeira, é 118,4% maior do montante pago em 2001. No segundo semestre de 2002 serão distribuídos dividendos de R$ 272,1 milhões, que eqüivalem R$ 0,37167 por lote de mil ações. O patrimônio líquido do BB fechou o ano passado em R$ 9,197 bilhões, que é 5,1% maior do que o patrimônio de R$ 8,747 bilhões do final de 2001. Ativos aumentam 23.9%Os ativos do Banco do Brasil cresceram 23,9% e passaram de R$ 165,120 bilhões em 2001 para R$ 204,595 bilhões no ano passado. As operações da carteira de crédito do banco aumentaram 26,4% na mesma comparação, de R$ 49,894 bilhões para R$ 63,051 bilhões. As provisões para crédito de liquidação duvidosa subiram 40,3% em 2002, de R$ 2,655 bilhões para R$ 3,726 bilhões. O Índice de Basiléia do BB encerrou o ano passado em 12,2%, acima do mínimo exigido pelo Banco Central, que é de 11%. Em 2001, o Índice de Basiléia havia fechado o mês de dezembro em 12,7%. O BB também informou que o resultado bruto da intermediação financeira de 2002 aumentou 65,8% em relação a 2001 e passou de R$ 4,869 bilhões para R$ 8,071 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.