Lucro do Bradesco no 1º semestre é o 2º maior da história, diz consultoria

Ganhos do banco no período, de R$ 4,50 bilhões, só perdem para o verificado pelo Itaú Unibanco, com lucro de R$ 4,58 bilhões no 1º semestre de 2009

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

28 de julho de 2010 | 07h19

O lucro do Bradesco no primeiro semestre, que somou R$ 4,508 bilhões, foi o segundo maior já registrado no período por bancos brasileiros de capital aberto, segundo a consultoria Economatica. O primeiro lugar é do Itaú Unibanco, com lucro de R$ 4,586 bilhões no primeiro semestre de 2009.

A rentabilidade sobre o patrimônio foi de 22,8% no semestre. Se considerado o lucro líquido ajustado (pela inflação), de R$ 4,602 bilhões, o banco teria o maior lucro da história para o primeiro semestre. O Bradesco ocupa a segunda e a terceira posições, com os resultados do primeiro semestre de 2010 e 2008, respectivamente. O lucro no primeiro semestre de 2008 foi de R$ 4,105 bilhões. O Itaú Unibanco, o Bradesco e o Banco do Brasil ocupam as sete demais posições do ranking, com resultados obtidos entre 2006 e 2009.

Nesta quarta-feira, 28, o Bradesco anunciou lucro líquido no segundo trimestre, de R$ 2,405 bilhões, 4,7% acima do resultado de R$ 2,297 bilhões no mesmo período do ano passado. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, a alta foi de 14,4%. 

O setor de seguros e previdência continuou com peso relevante dentro dos resultados do banco, respondendo por 31% do lucro líquido do segundo trimestre, ou seja, R$ 1,404 bilhão. O restante (R$ 3,198 bilhões) veio das atividades financeiras.

Os ativos totais do banco chegaram em junho a R$ 558,1 bilhões, alta de 15,7%. Já o patrimônio líquido em junho somou R$ 44,295 bilhões, 18,8% superior ao saldo do mesmo período de 2009. O índice de Basileia alcançou 15,9%, acima dos 11% exigidos pelo Banco Central. O Basileia mede quanto o banco pode emprestar no crédito sem comprometer seu capital.

Crédito tem expansão

As operações de crédito somaram R$ 244,8 bilhões no segundo trimestre, alta de 4,1% ante o primeiro trimestre de 2010. O avanço foi reflexo da evolução de 6,7% da carteira de micro, pequenas e médias empresas, de 4,2% da pessoa física e de 1,7% das grandes empresas. As operações com pessoas físicas totalizaram R$ 89,648 bilhões, enquanto as operações com pessoas jurídicas atingiram o montante de R$ 155,141 bilhões.

Em comparação com o segundo trimestre de 2009, as operações de crédito tiveram alta de 15%. De acordo com relatório divulgado pelo banco, o avanço no ano foi de 21,4% nas micro, pequenas e médias empresas, 20,7% na pessoa física e 5% nas grandes empresas.

No segmento de pessoa física, os produtos que apresentaram maior evolução nos últimos doze meses foram o crédito pessoal consignado, o cartão de crédito (impactado pela aquisição do Banco Ibi em outubro de 2009), os repasses do BNDES/Finame e financiamento de veículos. No segmento de pessoa jurídica, os principais destaques foram os repasses do BNDES/Finame, o financiamento imobiliário, capital de giro e operações no exterior.

Inadimplência cai pelo 3º trimestre consecutivo

Mesmo com o forte aumento das operações de crédito, o Bradesco apresentou queda na inadimplência pelo terceiro trimestre consecutivo. O índice total do banco, para atrasos superiores a 90 dias, fechou o segundo trimestre em 4%, ante 4,4% no período anterior e 4,6% em junho do ano passado. O banco atribui a melhora do indicador ao crescimento da economia, que trouxe expansão do emprego e da renda. Como reflexo, houve melhora também da qualidade dos ativos da instituição.

A inadimplência caiu tanto para pessoa física como para pessoa jurídica e o banco ainda prevê espaço para novas quedas, porém em menor nível que o registrado até agora, segundo os comentários que acompanham o balanço do Bradesco. O pico do indicador foi em setembro, quando chegou a 5,1%.

Na pessoa física, a inadimplência terminou o segundo trimestre em 6,3%, ante 6,7% no período anterior e 7,5% no mesmo período de 2009. Na pessoa jurídica (pequenas e médias empresas) o índice ficou em 3,8%, menor que os 4,4% no primeiro trimestre e 4,5% há 12 meses.

Com a melhora do índice de inadimplência, a despesa de provisão para devedores duvidosos (PDD) continuou apresentando queda no segundo trimestre, quando somou R$ 2,161 bilhões, ante R$ 3,118 bilhões no mesmo período de 2009, uma queda de 30,7%. O comparativo entre o primeiro semestre de 2010 e o mesmo período do ano anterior, a despesa de PDD registrou queda de 26%, enquanto as operações de crédito cresceram 15,0% no mesmo período.

Texto atualizado às 9h50

Tudo o que sabemos sobre:
bradescolucrotrimestrebalanço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.