Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Lucro do Itaú cresce 10,65% e soma R$ 6,169 bilhões no 2º trimestre

Resultado foi influenciado pelos crescimentos de 1,4% da margem financeira com clientes, de 2,5% das receitas de prestação de serviços e a redução de 15,3% do custo do crédito

Aline Bronzati, Broadcast

31 Julho 2017 | 19h43

O Itaú Unibanco reportou lucro líquido de R$ 6,169 bilhões no segundo trimestre, resultado 10,65% superior ao registrado no mesmo intervalo do ano passado de R$ 5,575 bilhões. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, de R$ 6,176 bilhões, ficou praticamente estável, com leve queda de 0,11%. Trata-se do primeiro trimestre de resultados na gestão de Candido Bracher, que assumiu o comando do Itaú Unibanco em maio último no lugar de Roberto Setubal que subiu para o conselho da instituição.

O lucro do Itaú no segundo trimestre foi influenciado, conforme explica o banco, em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras, pelos crescimentos de 1,4% da margem financeira com clientes, de 2,5% das receitas de prestação de serviços e a redução de 15,3% do custo do crédito. "Em contrapartida aos efeitos acima citados, tivemos redução de 13,1% na margem financeira com o mercado, de 8,5% em nosso resultado com operações de seguros, previdência e capitalização e o crescimento de 5,0% das despesas não decorrentes de juros que compensaram os efeitos positivos", acrescenta a instituição.

De janeiro a junho, o lucro líquido recorrente do Itaú Unibanco foi a R$ 12,345 bilhões, elevação de 14,98% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 10,737 bilhões. O resultado foi impactado, conforme o banco, pela redução de 28,0% do custo do crédito.

A carteira de crédito total do Itaú foi a R$ 587,335 bilhões ao final de junho, aumento de 0,1% em relação a março, de R$ 586,998 bilhões. Em um ano, quando os empréstimos somavam R$ 608,606 bilhões, foi vista retração de 3,5%. Empréstimos para pessoas físicas diminuíram 0,6% e 1,8% enquanto para pessoa jurídica encolheram 0,6% e 6,3%, nesta ordem.

Os ativos totais do Itaú somaram R$ 1,448 trilhão no segundo trimestre, incremento de 2,5% ante os três meses anteriores, de R$ 1,413 trilhão. Na comparação com o segundo trimestre de 2016, quando estavam em R$ 1,397 trilhão, houve aumento de 3,7%.

Seu patrimônio líquido foi a R$ 118,379 bilhões de abril a junho, expansão de 7,0% em 12 meses e alta de 3,0% na comparação com os três meses anteriores. O retorno recorrente sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) do Itaú alcançou 21,5% no segundo trimestre ante 22,0% no primeiro e 20,6% no segundo trimestre de 2016.

Resultado líquido e recorrente. O Itaú publicou ainda lucro líquido de R$ 6,014 bilhões no segundo trimestre, aumento de 8,99% em relação ao mesmo intervalo de 2016, de R$ 5,518 bilhões. Em comparação com o primeiro trimestre deste ano, que era de R$ 6,052 bilhões, recuou 0,63%.

As principais diferenças entre o lucro líquido e o resultado recorrente, conforme explica o banco em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, foram R$ 123 milhões em amortização de ágio de aquisições feitas pelo grupo, provisão para contingências por conta dos planos econômicos, dentre outros.

O Itaú comenta seus resultados do segundo trimestre amanhã, 01, em teleconferência com investidores e analistas estrangeiros, às 10 horas em inglês, às 11h30, em português e às 14 horas com a imprensa.

Mais conteúdo sobre:
Roberto Setubal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.