Daniel Teixeira/ ESTADÃO
Daniel Teixeira/ ESTADÃO

Lucro do Itaú soma R$ 7,15 bi, alta de 10,9%

Crescimento do crédito, que totalizou R$ 689 bilhões no 3º trimestre, impulsionou os resultados; PDV atinge 3,5 mil funcionários do banco

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2019 | 22h28

O Itaú Unibanco, maior banco privado do País, anunciou nesta segunda-feira, 5, lucro líquido de R$ 7,15 bilhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 10,9% na comparação com o mesmo período de 2018. Em relação aos três meses anteriores, o resultado cresceu 1,7%. 

“Nos preparamos para colher os benefícios da melhora que projetamos para o ambiente econômico, decorrente da aprovação da reforma da Previdência e da continuidade da agenda de reformas, concessões e privatizações”, afirmou Candido Bracher, presidente do banco. 

O resultado, divulgado nesta segunda após o fechamento do mercado, foi impulsionado não só pelo crescimento no crédito às micro e pequenas empresas e pessoas físicas, mas também pela retomada no segmento de grandes empresas, que melhoraram a margem financeira.

A carteira de crédito somou R$ 689 bilhões no fim de setembro, alta de 4,4% em relação a junho e aumento de 8,3% em relação ao mesmo período do ano passado. “Vale destacar a retomada da demanda por crédito no segmento de grandes empresas, que cresceu anualmente pela primeira vez em mais de três anos”, afirmou, em nota, Milton Maluhy, vice-presidente executivo do Itaú Unibanco.

O programa de demissão voluntária (PDV) do banco contou com a adesão de 3,5 mil funcionários. O contingente corresponde à metade do potencial elegível divulgado pela instituição, de 7 mil colaboradores.

O PDV, que ocorre dez anos após a última iniciativa do Itaú nessa direção, vai gerar, conforme o banco, uma despesa não recorrente de R$ 2,4 bilhões. No terceiro trimestre, já foi contabilizado R$ 1,431 bilhão que, associado ao ágio de aquisições passadas, reduziria o lucro do banco no período de R$ 7,156 bilhões para R$ 5,576 bilhões.

Aquisição

Na quinta-feira, o Itaú anunciou a compra da startup Zup, por R$ 575 milhões. Especializada em serviços de big data, com análises de grandes bancos de dados, a companhia ajudou a desenvolver aplicativos para operadoras como Vivo e Nextel e bancos como o Santander. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.