Lucro do Santander supera previsões com ajuda do ABN no Brasil

O Santander registrou um crescimento de22,4 por cento em seu lucro líquido no primeiro trimestre,auxiliado pela compra do ABN no Brasil. Com o resultado, omaior banco espanhol se afasta dos rivais globais que têm sidoafetados pela crise do crédito. O lucro líquido nos primeiros três meses do ano foi de 2,21bilhões de euros (3,5 bilhões de dólares), um pouco acima dasexpectativas. Do resultado, 151 milhões de euros vieram doBanco Real, unidade do ABN Amro, banco holandês comprado no anopassado pelo Santander junto com Royal Bank of Scotland eFortis. "São resultados bem respeitáveis, melhores que os quemuitos outros bancos foram capazes de mostrar", disse Arturo deFrias, analista de bancos do Dresdner Kleinwort. Mas ele não espera uma alta nas ações por causa dosresultados, dado o recente rali nos papéis do setor financeirose o clima ainda ruim para o setor. As ações do Santander caíam1,39 por cento, enquanto o índice europeu de ações de bancosrecuava 0,62 por cento. Os bancos espanhóis escaparam de bilhões de dólares embaixas contábeis com a crise mundial do crédito graças aosregulamentos conservadores do país que limitam os investimentosem ativos de risco. Isso, no entanto, não significa que eles estejam imunes aefeitos secundários, à medida que a economia espanholadesacelera, o consumo enfraquece e os empréstimos de difícilrecuperação aumentam. Algumas evidências disso foram vistas na unidade definanças do consumidor europeu do Santander, cuja taxa dedívida de difícil recuperação passou a 3,15 por cento em março,em alta de 0,49 ponto percentual sobre igual período de 2007. O Santander também aumentou as provisões do grupo, emfortes 69 por cento, para 1,14 bilhão de euros. A rede espanhola do banco emprestou nove por cento mais doque no primeiro trimestre de 2007. A América Latina teve lucro líquido sete por cento maior,729 milhões de euros, devido a um salto de 20 por cento nosempréstimos. Descontando o efeito do fortalecimento do euro, aalta foi de 22 por cento. O Santander acrescentou que o lucro líquido em seusnegócios de banco corporativo global somou 592 milhões deeuros, queda de 33 por cento sobre o primeiro trimestre do anopassado que foi impulsionado por uma onda de fusões eaquisições. A taxa global de empréstimos duvidosos do banco aumentoupara 1,16 por cento no primeiro trimestre, ante 0,82 por centoum ano antes. O total de empréstimos cresceu 2,7 por cento, a545 bilhões de euros. O ganho líquido com juros, medida de rentabilidade,aumentou 14,8 por cento, para 4,03 bilhões de euros, enquanto olucro operacional elevou-se em 30,9 por cento, a 4,24 bilhõesde euros. Analistas consultados pela Reuters previam um lucro líquidode 2,15 bilhões de euros e um lucro operacional de 4,14 bilhõesde euros.

JANE BARRETT E ELISABETH O'LEARY, REUTERS

29 de abril de 2008 | 07h50

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSSANTANDERRESULTS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.