Lucro do Unibanco cresce 20% em 2006, antes de ágio

O Unibanco registrou lucro líquido de R$ 2,21 bilhões em 2006, o que representa um crescimento de 20,2% em relação ao ano anterior. Esse resultado não considera a amortização de ágios no terceiro trimestre, quando a instituição decidiu acelerar o processo de dez para cinco anos.No relatório que acompanha o balanço anual, o banco informou que o impacto da operação no ano foi de R$ 460 milhões. Os créditos tributários referentes à amortização extraordinária foram integralmente absorvidos pela constituição de provisões adicionais.Desta forma, o lucro contábil, que incorpora o evento extraordinário, apresentou uma queda de 4,8% no ano passado, para R$ 1,75 bilhão.A rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROAE, na sigla em inglês) do banco antes da amortização de ágio cresceu de 21,1%, em 2005, para 22,4% no ano passado. Na mesma base de comparação, e o retorno sobre o ativo médio subiu de 2,1% para 2,3%.No quarto trimestre, o Unibanco teve lucro de R$ 576 milhões, com alta de 13,2% em relação ao mesmo período de 2005. O retorno anualizado sobre o patrimônio médio no período, por sua vez, alcançou 25,8%.O resultado da intermediação financeira cresceu 17,8% no ano passado, para R$ 9,719 bilhões. O banco atribui o aumento ao crescimento do volume de crédito e à melhora do mix de captação nos últimos 12 meses. A provisão para perdas com créditos subiu 31,2% no ano, para R$ 2,498 bilhões.O Unibanco alcançou R$ 104 bilhões em ativos totais em 31 de dezembro de 2006, alta de 13% em relação ao encerramento de 2005. Na mesma data, o patrimônio líquido da instituição era de R$ 9,921 bilhões (+6,4%). Os dados são consolidados.CréditoA carteira de crédito do Unibanco encerrou 2006 em R$ 45,361 bilhões, o que equivale a um crescimento de 13,8% em relação ao ano anterior. A instituição atribui o resultado à política de restrição na concessão de financiamentos, adotada desde meados de 2005, sobretudo em algumas carteiras das financeiras de crédito ao consumidor. Na comparação com o terceiro trimestre, a expansão foi de 4,7%.Entre os destaques da carteira, o banco aponta as operações com cartões de crédito, que cresceram 26,7% no ano, e os empréstimos a micro, pequenas e médias empresas (PMEs), com alta de 16,1%.No quarto trimestre, as financeiras de crédito ao consumidor retomaram o crescimento, com aumento de 6% frente ao período de julho a setembro. "A melhora da qualidade de crédito, entre outros fatores, permitiu uma retomada da expansão na carteira das financeiras de crédito ao consumidor, com elevação da taxa de aprovação desse segmento, sempre em patamares prudentes", informa a instituição, no relatório que acompanha o balanço.Essa melhora contribuiu para o aumento de 6,6% da carteira do segmento de varejo no trimestre. No ano, a expansão ficou em 13%. A carteira de atacado, por sua vez, cresceu 2,3% em relação a setembro de 2006 e 14,7% no ano.A carteira de consignado atingiu R$ 2,036 bilhões, com evolução de 44,9% quando comparada a dezembro de 2005. No financiamento de automóveis, o incremento foi de 20% nos últimos 12 meses. A carteira de financiamento de motos, segmento no qual o Unibanco decidiu parar de atuar, apresentou queda de 51,4% no ano. Desta forma, a carteira total de veículos alcançou R$ 5,115 bilhões em 2006, com alta de 11% frente ao ano anterior. No crédito imobiliário, a carteira atingiu R$ 1,5 bilhão em 31 de dezembro de 2006.Segundo o Unibanco, o saldo de provisões para perdas com crédito em relação ao total da carteira evoluiu de 5,2% em 2005 para 5,9% ao final do ano passado, em decorrência da piora da inadimplência e da estratégia da instituição de intensificar a participação nos segmentos de maiores margem e retorno.Em decorrência da política de restrição na concessão de empréstimo adotada pela instituição, houve uma melhora na qualidade da carteira. Em dezembro de 2006, as operações classificadas AA-C representavam 93,6% do total, frente aos 92,3% de dezembro de 2005. O porcentual com atraso igual ou superior a 60 dias estava em 5,4% no final do ano passado, de acordo com informações do relatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.