Lucro do Unibanco cresce 3,90% em 2002

O Unibanco encerrou o ano passado com lucro líquido de R$ 1,010 bilhão, que mostra elevação de 3,90% em relação ao resultado de R$ 972 milhões de 2001. O lucro líquido do quarto trimestre ficou em R$ 266 milhões, 10,4% superior ao do mesmo período do ano anterior. O lucro por lote de mil ações atingiu R$ 7,29 em 2002, sendo 4,9% maior que o lucro de R$ 6,95 por mil ações do ano de 2001. O patrimônio líquido do Unibanco alcançou R$ 6,6 bilhões em dezembro último, com crescimento de 8,0%. O valor patrimonial por lote de mil ações foi de R$ 47,34 no final do período. O retorno sobre o patrimônio líquido médio no ano de 2002 foi de 16,0% e sobre os ativos médios foi de 1,5%. Já a rentabilidade anualizada sobre o patrimônio no quarto trimestre foi de 17,8% no 4T02 e sobre os ativos médio no período foi de 1,4%. Desconsiderando o efeito das amortizações dos ágios das aquisições feitas pelo Unibanco, o lucro líquido seria de R$ 1,070 bilhão em 2002 e de R$ 281 milhões no quarto trimestre, enquanto o patrimônio líquido, deduzido do ágio ainda a amortizar, seria de R$ 5,1 bilhões. Carteira de créditoO Unibanco fechou 2002 com uma carteira de crédito, incluindo garantias prestadas, de R$ 26,8 bilhões, o que representa crescimento de 3,6% no ano. Os ativos totais consolidados do Unibanco atingiram R$ 75,4 bilhões em dezembro de 2002, representando um acréscimo de 2,6% no trimestre e de 35,5% nos últimos 12 meses. Do total de ativos, R$ 26,6 bilhões eram representados por operações de crédito (sem as garantias prestadas), R$ 18,4 bilhões por títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos, constituídos principalmente por títulos públicos federais, e R$ 15,5 bilhões por aplicações interfinanceiras de liquidez. O Unibanco vem apresentando uma melhora na proporção de depósitos em relação a carteira de crédito, que passou de 74,7% em dezembro de 2001 para 97,9% em dezembro de 2002.Ao final do ano passado, o saldo das provisões para perdas com créditos consolidado do Unibanco totalizava R$ 1,591 bilhão, 3,4% maior do que o saldo das provisões em 2001. As provisões totais, em relação às operações de crédito, mantiveram-se praticamente estáveis em 5,9% no final de 2002. Estão provisionados: R$ 525 milhões, ou 33,0% do total, segundo critérios da Resolução 2.682, para parcelas vencidas; R$ 859 milhões, ou 54,0% da provisão, referentes aos níveis de risco das operações segundo parâmetros da Resolução 2.682, relativos a contratos vincendos; e R$ 207 milhões, baseados em percentuais mais prudentes do que o mínimo exigido pela regulamentação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.