finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Lucro do Unibanco é de R$ 1,4 bilhão

Com crescimento de 33% no semestre, ficou atrás de Bradesco e Itaú; carteira de crédito teve aumento de 23,2%

Renée Pereira, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2010 | 00h00

O lucro líquido do Unibanco cresceu 33% no primeiro semestre deste ano e atingiu R$ 1,4 bilhão. Trata-se do terceiro melhor resultado do setor no período, atrás apenas dos gigantes Bradesco e Itaú, que lucraram cerca de R$ 4 bilhões cada um. Segundo o vice-presidente corporativo do Unibanco, Geraldo Travaglia, eventos extraordinários contribuíram para a expansão dos ganhos do banco, como a venda da participação na Serasa e a entrada do Deutsche Bank como sócio do Unibanco Participações Societárias (UPS).Travaglia destacou o bom momento da economia brasileira, com aquecimento da atividade, queda dos juros e manutenção da inflação em níveis reduzidos. O cenário benigno impulsionou de forma significativa a demanda por crédito, tanto no segmento de pessoa física como jurídica. A expansão foi acompanhada pelo estabelecimento de uma rígida política de administração de riscos, adotada desde 2005, que resultou na melhora da qualidade dos ativos do banco. ''''A melhora da carteira de crédito possibilitou a queda de 18,4% na provisão para perdas com créditos no segundo trimestre e ajudou nos resultados'''', explicou Travaglia.No primeiro semestre, a carteira de crédito da instituição cresceu 23,2% em relação a igual período do ano passado e atingiu R$ 51,6 bilhões. O maior crescimento foi na modalidade de empréstimo consignado, com desconto na folha de pagamento, cuja evolução atingiu 136% em relação a junho de 2006, para R$ 3,6 bilhões. Em seguida aparece o financiamento de automóveis, com avanço de 44,7%, para R$ 5,8 bilhões.Nas linhas de crédito voltadas para pessoa jurídica, o destaque ficou com o segmento de pequenas e médias empresas, que cresceu 23,4% e somou R$ 9,7 bilhões. A carteira para grandes empresas também apresentou desempenho positivo, de 16,9%, para R$ 21 bilhões.Apesar do crescimento robusto do crédito, o índice de inadimplência caiu em relação ao primeiro semestre do ano passado. Nas operações com atraso há mais de 60 dias, o recuo foi de 6,9% para 5,2% do total da carteira. Nos atrasos há mais de 90 dias, o índice caiu de 5,1% para 4,3%. Essa melhora deve-se especialmente ao fato de a expansão do crédito ter ocorrido em linhas de menor risco, como o crédito consignado e financiamento de veículos, que têm garantias reais.''''NÚMEROS POSITIVOS''''O bom desempenho da carteira de crédito fez o banco rever a previsão de crescimento para o ano. No início de 2007, diz Travaglia, a expectativa era de um avanço de 20%. ''''Após os resultados do primeiro semestre, estamos esperando expansão de 25%'''', comemora o executivo, detalhando que o portfólio de pessoa física deverá apresentar alta de 35% e jurídica, de 20%.A rentabilidade do Unibanco alcançou 29,3% no primeiro semestre ante 23,6% de igual período do ano passado. O índice de eficiência ficou em 48%, ante 47,2%, de 2006. ''''Os números do Unibanco foram muito positivos no semestre, tanto do ponto de vista quantitativo como qualitativo'''', avaliou o analista de renda variável da Meta Asset Management, Rodrigo Santos, destacando o crescimento saudável da carteira de crédito da instituição. Outra boa notícia, observou ele, foi a aprovação, pelo conselho, do programa de recompra de ações, no total de R$ 20 milhões durante seis meses. ''''Isso dá mais sustentação ao valor do papel.''''Durante a apresentação dos resultados, Travaglia - em resposta a uma pergunta sobre o futuro do banco neste momento de concentração bancária - afirmou que os números do Unibanco no primeiro semestre são a maior prova de que há espaço para atuação de vários concorrentes no setor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.