Lucro do Votorantim Celulose cai 33% no 1o trimestre

A Votorantim Celulose e Papelanunciou nesta quinta-feira que encerrou o primeiro trimestrecom queda de 33 por cento no lucro líquido na comparação com omesmo período do ano passado. O resultado foi pressionado pelavalorização do real, que impacta exportações, e por queda nageração de caixa. A companhia teve lucro líquido de 110 milhões de reais nosprimeiros três meses de 2008, contra ganho de 163 milhões dereais no primeiro trimestre de 2007. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros,impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla eminglês) somou 208 milhões de reais, queda de 21 por centofrente ao obtido um ano antes. A margem ficou em 35 por cento,um ponto percentual menor que no primeiro trimestre de 2007. A queda no Ebitda deveu-se "principalmente em função dasaída de (unidade) Luiz Antonio, da venda de Mogi das Cruzes eda não consolidação da joint-venture em Jacareí, combinados aoimpacto negativo da apreciação do real nos preços de celulose ede exportação de papel", informou a companhia em relatório aomercado. "Estes efeitos foram parcialmente compensados por menoresdespesas logísticas de exportação de papel, maior preço decelulose em dólares e melhor mix de papel", acrescentou aempresa. A VCP teve receita líquida de 594 milhões de reais, umrecuo de 18 por cento em relação ao verificado entre janeiro emarço do ano passado. O faturamento com mercado externo caiu 17por cento e as receitas no mercado interno recuaram 19 porcento. A empresa teve vendas de celulose de 307 mil toneladas noprimeiro trimestre, crescimento de 20 por cento sobre igualperíodo do ano passado, mas as vendas de papel caíram 45 porcento, para 87 mil toneladas no período. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de VanessaStelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.