Lucro líquido da francesa Alstom cresce 56%, para US$ 1,32 bi

Empresa é suspeita de pagar propina para garantir contratos em obras como a expansão do metrô de SP

Agência Estado

07 de maio de 2008 | 06h04

A Alstom, conglomerado francês de energia e transportes, anunciou nesta quarta-feira, 7, que o seu lucro líquido anual aumentou 56% sobre um ganho de receita de 19% no ano fiscal encerrado em 31 de março, impulsionado por um recorde de encomendas nas divisões de transporte e sistemas de energia. O lucro líquido no período alcançou 852 milhões de euros (US$ 1,32 bilhão), ante 547 milhões de euros no ano passado. O resultado ficou bem acima da previsão dos analistas de 796 milhões de euros.  Veja também:Alckmin não vê problema em investigação sobre AlstomMetrô diz que averigua contratos feitos com a Alstom Suíça investiga propina da Alstom em contratos no Brasil A empresa está sendo investigada na Suíça e na França por pagar propina para garantir os contratos em obras como a expansão do metrô de São Paulo e usinas de energia no Brasil. Pessoas ligadas à multinacional estão sendo investigadas por corrupção e lavagem de dinheiro em obras em várias partes do mundo. O conglomerado francês também duplicou seu dividendo para 1,60 euro por ação e revisou suas previsões de crescimento no médio prazo, elevando sua meta para a margem operacional em março de 2010 para 9%, de 8%. No atual ano fiscal, a companhia prevê uma margem operacional de 7,7%.A empresa disse que as vendas subiram para 16,91 bilhões de euros (US$ 26,2 bilhões), ante 14,21 bilhões de euros em 2007. Já as encomendas cresceram 23%, para 23,47 bilhões de euros (US$ 36,4 bilhões). Isto permitiu à companhia totalizar uma reserva de encomendas de 39,2 bilhões de euros (US$ 60,8 bilhões) no final de março, um aumento de 21% e que representa 28 meses de vendas. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Alstom

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.