Lucro líquido da Nestlé cai 18% para US$ 4,9 bi em 2003

A companhia suíça Nestlé, maior no mundo em termos de vendas, informou queda de 18% em seu lucro líquido no ano passado, acima das estimativas, mas melhora na margem operacional (ganho em cada unidade) em conseqüência de corte nos custos. O lucro líquido recuou para 6,21 bilhões de francos suíços (US$ 4,9 bilhões), de 7,56 bilhões de francos em 2002. Analistas esperavam lucro de 6,35 bilhões de francos suíços em 2003.As vendas caíram para 87,98 bilhões de francos suíços, de 89,16 bilhões de francos em 2002, refletindo a desvalorização do dólar em relação ao franco. O lucro antes de juro, impostos e amortização (EBITA) avançou para 11 bilhões de francos suíços, de 10,94 bilhões de francos. Mesmo assim, o EBITA ficou abaixo do previsto. As ações da companhia caíam cerca de 3,2% na bolsa suíça próximo às 8h46 (de Brasília). A Nestlé propôs aumento no dividendo para 7,20 francos por ação, contra 7,00 francos por ação distribuídos em 2002. O diretor-financeiro da empresa Wolfgang Reichenberger disse, em conferência telefônica, que o dividendo é recorde. A empresa previu corte de mais 6 bilhões de francos em seus custos até 2006, a maior parte deles a partir de 2005.Venda da GarotoO chefe da divisão Americas da Nestlé, Carlos Represas, disse que a companhia ficou surpresa com a decisão das autoridades brasileiras de pedir a venda de sua unidade Garoto. Entretanto, uma eventual venda das operações da Garoto não deve ter impacto na lucratividade da Nestlé, uma vez que o valor da unidade atualmente é superior ao da compra, acrescentou o diretor-executivo da Nestlé, Peter Brabeck. Os comentários foram feitos durante conferência telefônica realizada nesta manhã para comentar o balanço de 2003 da companhia suíça. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.