Lucro trimestral da empresa cresce 567%

Receita teve queda de 3% no período, resultado, segundo a empresa, da busca por rentabilidade, e não de market share

Reuters, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2010 | 00h00

A Oi teve lucro líquido de R$ 427 milhões no terceiro trimestre, um crescimento de 567% em relação aos R$ 64 milhões de um ano antes, quando o resultado havia sido prejudicado por questões fiscais não recorrentes. A receita líquida do grupo de julho a setembro totalizou R$ 7,3 bilhões, uma queda de 3% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

"A queda na receita é decorrente da menor agressividade da companhia em conquistar market share em função da busca pelo aumento da rentabilidade do negócio ao longo do ano de 2010", informou a Oi.

Entre as grandes operadoras de telefonia do País, a Oi foi a que apresentou menor expansão da base de assinantes de celular do segundo para o terceiro trimestre, com alta de 0,4%, fechando setembro com 37,4 milhões de clientes móveis e perdendo participação de mercado para rivais.

De acordo com o diretor financeiro da companhia, Alex Zornig, em 2011 a empresa voltará a buscar market share. Segundo ele, a entrada da Portugal Telecom no capital da Oi e a redução adicional da dívida que será possível com aumentos de capital de empresas do grupo permitirão aumento da "velocidade de aquisição de clientes".

Em telefonia fixa, a Oi tinha no encerramento do terceiro trimestre, 20,4 milhões de linhas em serviço, queda de 1,7% ante junho e de 4,8% em 12 meses.

Em banda larga, o número de clientes subiu 4,4% ante setembro de 2009, para 4,3 milhões de assinantes, e em TV por assinatura cresceu quase 2,5 vezes, para 280 mil usuários.

A dívida líquida do grupo no encerramento de setembro estava em R$ 19,3 bilhões, queda de 8,6% em relação a 2009.

Novo sócio. Em julho, a Oi anunciou acordo para entrada em seu capital da Portugal Telecom (PT), ex-sócia da operadora móvel Vivo no Brasil. A aliança prevê que o grupo português terá uma participação final, direta e indireta, de pouco mais de 20% no grupo Oi, que por sua vez pode vir a ter 10% do capital da sócia estrangeira.

A operação prevê aumentos de capital de capital da Telemar Participações e da Tele Norte Leste, ambas do grupo Oi, no valor de R$ 12 bilhões cada, com a Portugal Telecom subscrevendo parte das novas ações a serem emitidas. O diretor financeiro da Oi prevê que os aumentos de capital serão concluídos até o final do primeiro trimestre de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.