Lugo diz que não abre mão de discutir tarifa de Itaipu

"Nenhum país fornece seus bens naturais a preço de custo", disse o presidente do Paraguai

Leonencio Nossa, enviado especial,

16 de maio de 2008 | 19h20

O presidente eleito do Paraguai, Fernando Lugo, declarou nesta sexta-feira, 16, na entrevista mais concorrida, até agora, da V Cúpula de Chefes de Estado da América Latina, Caribe e União Européia, que o Brasil paga preço de custo pela tarifa da energia de Itaipu não usada por seu país e, por isso, não abrirá mão de negociar com o governo brasileiro o reajuste da tarifa.   Veja também:  Itaipu, um gigante polêmico  "Nenhum país fornece seus bens naturais a preço de custo. A Venezuela não fornece seu petróleo a preço de custo, o Chile não fornece seu cobre e a Bolívia seu gás a preço de custo. Hoje, o preço de Itaipu é de custo e queremos preço de mercado", destacou o presidente eleito.Juntamente com o atual presidente Nicanor Duarte, ele se reuniu hoje com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas não trataram de Itaipu, segundo o assessor internacional da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia. Lugo evitou informar se a tarifa de energia de Itaipu foi efetivamente abordada no encontro.O presidente eleito do Paraguai destacou que desde 1973, quando "as ferrenhas ditaduras" dos dois países assinaram o tratado de construção de Itaipu, é a primeira vez, por iniciativa sua, que o reajuste da tarifa é debatido. Na sua visão, o preço da energia de Itaipu é uma questão nacional para o Paraguai. "Hoje, não se pode pensar em integração sem discutir integração energética. A soberania do Paraguai é também soberania na questão energética", enfatizou.Sem mencionar quando o assunto foi tratado - ele esteve com Lula em Brasília como candidato da oposição, antes da eleição, ocorrida em 20 de abril -, Fernando Lugo disse que Marco Aurélio Garcia está encarregado pelo presidente de preparar "o mais rápido possível" as reuniões dos dois lados para tratar da energia de Itaipu. Ele será empossado no dia 15 de agosto e anunciou que quer começar a discussão de Itaipu já no dia seguinte à posse. Segundo Lugo, o presidente brasileiro considera Itaipu um assunto complexo. "O presidente Lula já disse que nem os técnicos conhecem os números de Itaipu", relatou.Bem-humorado durante a concorrida entrevista, na Biblioteca Nacional, Lugo se declarou um bispo rebelde para a Igreja, enfatizando que a suspensão das funções de bispo, por causa da sua candidatura, é temporária. "O papa é meu superior religioso, mas como chefes de Estado temos uma relação de igual para igual. Meu caso é único no mundo", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Itaipu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.