Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Luiz Barroso assume presidência da consultoria de energia PSR

O ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética vai substituir Mario Veiga

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2018 | 22h40

BRASÍLIS - O ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Luiz Barroso vai assumir a presidência da consultoria de energia PSR. Barroso vai substituir Mario Veiga, que passa a chefiar a área de inovação da empresa.

Barroso foi presidente da EPE entre julho de 2016 e abril de 2018. Ele fez parte da equipe do ex-ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho, deputado federal (DEM-PE), e do ex-secretário-executivo Paulo Pedrosa. A EPE é a estatal responsável pelo planejamento do setor elétrico, realização de estudos e execução de leilões de energia.

Barroso retorna agora à PSR, onde atuou por 18 anos. Ele é formado em Matemática e possui mestrado e doutorado em pesquisa operacional. É professor da Escola de Regulação de Florença desde 2009 e pesquisador associado do Instituto de Investigación Tecnológica (IIT) da Universidad Pontificia Comillas, em Madri, desde 2013.

Nos últimos meses, durante o período de quarentena após deixar a EPE, Barroso deu aulas em universidades no exterior. Ele também passou três meses na Agência Internacional de Energia, em Paris, a convite do diretor-geral, Fatih Birol. Na agência, trabalhou em um programa sobre a transição para a economia de baixo carbono e o aumento da presença de energias renováveis em economias emergentes como México, China, Índia, África do Sul e Tailândia.

"Os planos passam por ampliar a participação da PSR no mercado de consultoria mundial, agregando valor em um ambiente cada vez mais complexo", disse ele. A PSR, que já atuou em mais de 80 países, tem hoje 65% de seu faturamento no exterior, e pretende também abrir centros de inovação na América do Norte e na Europa.

A figura do "prosumidor", o consumidor que passa a gerar sua própria energia, também eleva a complexidade do mercado, disse Barroso. "A PSR poderá ajudar agentes e governo a gerar valor nesse ambiente, com base em nossos conhecimentos e ferramentas analíticas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.